Moreira Franco assumirá Ministério de Minas e Energia

A justiça eleitoral prevê que os ministros que quiserem concorrer nas eleições tinham até o dia 7 de abril para deixar os cargos, na chamada desincompatibilização.

O Palácio do Planalto confirmou há pouco que o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, vai assumir a pasta de Minas e Energia, que estava vaga com a saída de Fernando Coelho Filho, candidato à reeleição para deputado federal em Pernambuco. Moreira Franco também é secretário-executivo do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI).

Na semana passada, ministros do governo Temer deixaram o cargo para se candidatar nas eleições de outubro. A lei eleitoral prevê que os ministros que quiserem concorrer nas eleições tinham até o dia 7 de abril para deixar os cargos, na chamada desincompatibilização.

Foram exonerados os ministros Ricardo Barros (PP), Ministério da Saúde; Maurício Quintella (PR), Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil; Mendonça Filho (DEM), Ministério da Educação; Marx Beltrão (MDB), Ministério do Turismo; Osmar Terra (MDB), Ministério do Desenvolvimento Social; Fernando Coelho Filho (MDB), Ministério de Minas e Energia; Leonardo Picciani (MDB), Ministério do Esporte; Sarney Filho, Ministério do Meio Ambiente; Helder Barbalho (MDB), Ministério da Integração Nacional; e Henrique Meirelles, Ministério da Fazenda.

RICARDO NOBLAT: Operação Sarney em curso…

para o maquiavélico e experiente Sarney, o que vier é lucro

para o maquiavélico e experiente Sarney, o que vier é lucro

Segundo a coluna do jornalista Ricardo Noblat, o ex-ministro Moreira Franco, presidente da Fundação Ulysses Guimarães, do PMDB, e um dos principais conselheiros do vice-presidente Michel Temer, viajou a São Luís do Maranhão, por esses dias, só para almoçar com a ex-governadora Roseana Sarney, filha do ex-presidente José Sarney.

Foi e voltou a Brasília no mesmo dia.

A tarefa lhe foi dada por Temer, interessado em se aproximar, cada vez mais, do ex-presidente.

No frigir dos ovos e no calor da turbulência, José Sarney se mantém de boca calada, já que em qualquer cenário político, ele continuará dando cartas. Com a petista Dilma Rousseff, ele tem vários cargos ocupados por indicados dele.

Com o PMDB no poder, Sarney continuará dando cartas. E numa possível eleição do senador Aécio Neves (PSDB) para a Presidência da República, também estará em boa situação, já que até votou nela no segundo turno das eleições passadas.

Então para o maquiavélico e experiente Sarney, o que vier é lucro.