É necessário respeitar a dor da família e despolitizar a perda de dona Marisa…

O momento não é de acentuar diferenças políticas e sim de respeitar a dor da perda. O gesto de FHC a Lula é uma das imagens que mais repercutem nas redes sociais

Em relação à morte de dona Marisa Letícia, ex-primeira-dama do Brasil, entendo que o momento é de respeitar a dor do ex-predidente Luís Inácio Lula da Silva (PT), dos seus familiares, filhos, amigos, etc. É importante respeitar o momento sem ódios, independente de lados políticos. É preciso despolitizar o fato.

Uma das cenas que mais marcaram o dia de ontem, data dá morte cerebral de Marisa, foi o abraço entre Lula e o ex-predidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), uma retribuição deste último ao primeiro que também teve o mesmo gesto quando dona Ruth Cardoso faleceu. Isso é deixar querelas e diferenças de lado para demonstrar humanidade, sentimento à dor do outro em uma situação que só quem já passou por isso, sabe o que significa.

Quem fica tem o coração partido e um sentimento enorme de impotência, isolamento, abandono, solidão. Eu já passei, recentemente, por isso. Sei o que é perder uma pessoa amada. A dor alheia também tem que ser respeitada.

Horríveis e nojentas as manifestações de desrespeito a dona Marisa e à dor de Lula com palavras violentas e desumanas nas redes sociais. Abomináveis. Também, nesse sentido, não concordo com aquela recepção ao presidente Michel Temer (PMDB) quando foi taxado de “assassino”. Vi aquelas cenas como excesso.

Acho que o momento é de sentir a dor e a perda de uma grande mulher, líder, lutadora, revolucionária que foi, em vida, o maior equilíbrio de Lula. Não por ter falecido, mas porque há de se reconhecer a história de vida e de luta de dona Marisa, por sinal, muito bonita. A ocasião não é para ódios. O momento é de despolitizar.

O Brasil não precisa de ódios. Dona Marisa precisa de paz e que descanse em paz, na certeza de que sua passagem está sendo muito sentida e a pessoa que foi, respeitada.

DRAMA DA FOME – Belágua e a solidariedade dos meus leitores…

Após a republicação da reportagem “Estrada da Fome” da TV Record (veja em posts mais lidos), o blog recebeu inúmeras mensagens em forma de comentários, e-mails e whatsApp de leitores do Maranhão e de outros estados do país, que se disponibilizaram para ajudar as famílias, principalmente, as de Belágua, município mais pobre do Brasil, onde crianças choram de fome e outras comem farinha com água suja e sal (reveja vídeo).

O blog, então, foi buscar contatos que pudessem fazer levar doações para essas famílias que vivem o drama da fome no município mais pobre do Brasil e que, pasmem, deu a maior votação proporcional do país à presidente Dilma Rousseff (PT). Obtive, com o auxílio da equipe de reportagem do Repórter Record e da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), endereço, telefones e e-mail de pessoas que podem alcançar as crianças e pais que aparecem na reportagem da Record.

A “Estrada da Fome” comoveu o Brasil. Minutos após a veiculação da reportagem, meu celular já recebia mensagens. Uma das leitoras se chama Juliana e é de São Paulo. Ela, a exemplo de outros que falaram comigo, não contiveram as lágrimas durante a matéria. “Não temos muito, mas podemos ajudar”, disse.

O mesmo aconteceu com a leitora Solange Glaeser, de Santa Catarina, que buscou o meu blog, pelo e-mail, para conseguir contatos que pudessem levar doações de alimentos e roupas. Assim como Juliana e Solange, agiram dezenas de leitores de São Luís ao exemplo da jovem Carolina, que me ligou emocionada, e de outros.

Entre os leitores que me contactaram, há pessoas que acreditavam que não existia mais, no Brasil, esse cenário de pobreza extrema, de miséria e de fome que foi mostrado no Repórter Record.

Pra mim, é uma satisfação, um dever cívico poder ajudar essas famílias de Belágua, servindo de elo. O blog, sobretudo, em sua função social está a serviço da comunidade e de seus leitores. Muito obrigada!

LEIA TAMBÉM:

ESTRADA DA FOME – Miséria do Maranhão é mostrada com tristeza na Record

BELÁGUA – Município mais pobre do Brasil está no Maranhão…

Abaixo, contatos que consegui para fazer chegar as doações às famílias:

CONTATOS PARA DOAÇÕES ÀS FAMÍLIAS DA ESTRADA DA FOME

Consegui esses contatos de Belágua, junto à equipe de reportagem do Repórter Record e à Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), para poder fazer chegar as doações às famílias:

1 – Sindicato dos Servidores de Belágua:

Ivan – (98) 9 91735357 e (98) 9 8883 4327

2 – Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Belágua:

STTR BELÁGUA
Av. Eider Araújo, 31 – Centro – Belágua
Email: [email protected]
Adalberto / Telefone: (98) 9159 2665
Samuel / Telefone (98) 9192 5166 ou 3252 1019
Vera / Telefone (98) 9132 7210

3 – Outras lideranças de Belágua que temos o contato:

JOSÉ FÁTIMA DOS SANTOS
SECRETÁRIO DOS SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS
98 98839 5680

ELKE ANE LISBOA GARCIA
PROFESSORA
98 99983 5364