Alckmin tenta impedir debandada do Centrão

Apesar de ter o maior tempo no horário eleitoral no rádio e na TV, Alckmin continua estagnado nas pesquisas

A campanha do ex-governador Geraldo Alckmin, presidenciável do PSDB nas eleições 2018, tenta evitar uma debandada de aliados e quer reforçar a visibilidade do tucano em São Paulo nas três semanas que restam antes do primeiro turno. Ainda sem contar com o engajamento dos partidos do Centrão, Alckmin pretende investir no próprio quintal para evitar o triunfo do voto casado no candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e no nome tucano para o Palácio dos Bandeirantes, João Doria. A ideia é impedir a consolidação do chamado voto “bolsodoria” no maior colégio eleitoral do País.

Apesar de ter o maior tempo no horário eleitoral no rádio e na TV, Alckmin continua estagnado nas pesquisas. Oficialmente, integrantes do bloco formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade pedem mudanças no tom da campanha, mas, nos bastidores, já procuram candidatos que consideram mais viáveis para o segundo turno.

Os líderes do Centrão foram convocados pelo prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), coordenador político da campanha, para uma reunião de emergência hoje na capital paulista. Porém, já há sinais de abandono na aliança tucana. O coordenador da campanha de Bolsonaro em São Paulo, deputado Major Olímpio (PSL-SP), disse nesta segunda-feira, 17, que líderes do Centrão estão se aproximando do presidenciável do PSL.

No Solidariedade, partido ligado à Força Sindical, a preferência é pelo candidato do PDT, Ciro Gomes. Já o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), que concorre à reeleição, não esconde o apoio ao PT. Sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no páreo por causa da Lei da Ficha Limpa, o senador pretende se juntar à campanha do petista Fernando Haddad. Alega, para tanto, questões regionais.

Um dos integrantes do bloco disse ao Estado que, na prática, não há como desfazer a coligação com Alckmin. Mas observou que, mesmo nas fileiras do PSDB, o tucano está sendo “cristianizado”, termo usado na política para se referir a candidato abandonado por seus pares.

Embora considere “dificílima” a hipótese de o tucano deslanchar, a maior parte do Centrão acha que é preciso concentrar o ataque em Bolsonaro e pregar o voto útil com mais vigor, deixando a artilharia pesada contra Haddad para o final. Há, no entanto, quem defenda críticas já ao petista.

Na avaliação de integrantes do bloco ouvidos pelo Estado, além de desconstruir Bolsonaro, o ex-governador de São Paulo precisa destacar os riscos da volta do PT ao poder e se descolar do presidente Michel Temer, bastante impopular.

Distanciamento

Até o momento, as campanhas de França e Doria têm ignorado Alckmin na propaganda de rádio e TV. O ex-prefeito tem feito agendas pontuais com o ex-governador, mas sua campanha adotou um discurso com forte enfoque na segurança pública para atrair o eleitorado de Bolsonaro. Doria também tem poupado Bolsonaro em entrevistas e sabatinas.

Em Pernambuco, o PSDB compõe a aliança do senador e candidato ao governo Armando Monteiro (PTB), principal chapa de oposição ao governador Paulo Câmara (PSB), mas o petebista declarou voto em Lula, quando o ex-presidente, preso e condenado na Lava Jato, ainda figurava como presidenciável do PT. Monteiro reúne em sua chapa os deputados Bruno Araújo (PSDB) e Mendonça Filho (DEM), ambos de partidos que compõem o Centrão.

No Rio Grande do Sul, a candidatura do presidenciável tucano enfrenta um racha no PP, partido de Ana Amélia, que integra a chapa como candidata a vice-presidente. O candidato ao Senado pela sigla, deputado federal Luis Carlos Heinze, anunciou que irá apoiar o presidenciável Jair Bolsonaro. Heinze também afirmou que não subirá em palanques com Alckmin e que usará seu tempo de TV para apresentar seu voto e fazer campanha para Bolsonaro.

Mototaxistas de Imperatriz são chamados para dar volume à carreata de Roberto Rocha

As fotos dos mototaxistas com suas motos da cor amarela estão disponíveis até mesmo nas redes sociais do tucano

Uma cena um tanto inusitada foi presenciada na quinta-feira (13), em Imperatriz, segundo maior colégio eleitoral do Maranhão.

Em quarto lugar nas pesquisas e sem apoio popular e político, Roberto Rocha (PSDB),l teve que convocar os mototaxistas da cidade para reforçar sua passagem por lá.

A carreata organizada pelo ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, secretário do PSDB e avalista da candidatura de Roberto Rocha, não teve uma quantidade de veículos esperados e os mototaxistas da cidade foram convocados para dar volume nas fotos da campanha do candidato tucano.

As fotos dos mototaxistas com suas motos da cor amarela estão disponíveis até mesmo nas redes sociais do tucano. Comprovando que em Imperatriz, Roberto Rocha terá muitas dificuldades para ganhar votos e disputar um possível segundo turno.

Crise se instala no PSDB maranhense…

A revolta está instalada na legenda com promessas de boicotes aos candidatos da majoritária

Se não bastasse uma pré-campanha cheia de atrito entre membros do PSDB maranhense, em plena campanha eleitoral, o que se olha na legenda tucana é uma verdadeira crise instalada.

Dessa vez, candidatos a deputado estadual fazem um motim contra o candidato ao governo do Estado e presidente da legenda, Roberto Rocha. O motivo seria a falta de estrutura para que os candidatos possam fazer suas campanhas.

A revolta dos candidatos é o fato de que no site DivulgaCand, alimentado pelo Tribunal Superior Eleitoral, consta que o PSDB do Maranhão já recebeu a quantia de R$ 1 milhão. Mas nada disso foi repassado para que os candidatos pudessem trabalhar.

A revolta está instalada na legenda com promessas de boicotes aos candidatos da majoritária e possíveis declarações de apoio a outros candidatos ao governo.

A única certeza nesse momento é de que o PSDB se tornou uma legenda nanica após a expulsão do vice-governador Carlos Brandão, hoje no PRB.

A intervenção feita por Roberto Rocha, Sebastião Madeira e a Executiva Nacional fará com que o PSDB no Maranhão saia dessas eleições menor do que entrou.

A cara de desânimo da chapa tucana…

A falta de sintonia dos membros do PSDB maranhense é reflexo nas pesquisas eleitorais

Se na pré-campanha os ânimos dos membros do PSDB maranhense ficaram alterados, com troca de farpas e declarações ácidas, na campanha a situação não mudou muito.

O que pudemos notar são três candidatos sem sintonia, sem alinhamento de discursos e sem uma estratégia para ajudar o candidato à Presidência da República pelo PSDB, o ex-governador Geraldo Alckmin.

E foi nesse discurso de ajudar o presidenciável tucano, que Roberto Rocha e o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, insistiram em colocar o nome de Rocha na disputa. Mas agora, nem mesmo Madeira está trabalhando no projeto dele.

A falta de sintonia dos membros do PSDB maranhense é reflexo nas pesquisas eleitorais e sobretudo na imagem da campanha.

Waldir Maranhão volta a ser notícia no meio político

Sem nexo e sem nenhuma explicação, Waldir Maranhão tenta pregar sua imagem ao do ex-presidente Lula

O caricato deputado federal Waldir Maranhão (PSDB), voltou a ser notícia no meio político mais uma vez. Após uma pré-campanha muito conturbada, que envolveu declarações polêmicas e o rompimento com o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB), Waldir Maranhão ganhou as mídias novamente.

A fato, é que o novo tucano iniciou sua campanha política, usando justamente a imagem de um dos maiores adversários do PSDB, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Sem nexo e sem nenhuma explicação, Waldir Maranhão tenta pregar sua imagem ao do ex-presidente Lula.

Após perder várias bases no interior, Waldir apela pra tudo que é estratégia para conseguir se reeleger. Agora é esperar pra ver qual será a reação dos membros do PSDB no Maranhão.

Cada um por si na chapa tucana…

Diferentemente de outras chapas majoritárias, a do PSDB no Maranhão ainda não mostrou sua formação oficial e vai de acordo com o ditado “cada um por si”

A pesar de aparentemente estarem unidos no projeto do PSDB, os candidatos a governador Roberto Rocha e a senador Zé Reinaldo ainda não acertaram suas mensagens no projeto tucano no Maranhão.

Com o início da campanha eleitoral dia 16, ambos os candidatos seguiram caminhos distintos e, em suas campanhas nas redes sociais, não há nenhuma referência do apoio de um ao outro.

Diferentemente de outras chapas majoritárias, a do PSDB no Maranhão ainda não mostrou sua formação oficial e vai de acordo com o ditado “cada um por si”.

As antigas desavenças entre Roberto Rocha e Zé Reinaldo, aparentemente, ainda não foram resolvidas.

Sem anúncio oficial, Graça Paz é a vice na chapa de Roberto Rocha

O nome de Graça Paz não foi anunciado oficialmente pela coligação tucana

A deputada estadual Graça Paz (PSDB) vai ser a companheira na chapa do candidato a governador Roberto Rocha (PSDB).

O nome de Graça Paz não foi anunciado oficialmente pela coligação tucana. A deputada apareceu no sistema do Tribunal Regional Eleitoral na aba de candidatos a vice-governadores.

O sistema do TRE-MA ainda mostra a imagem de Roberto Rocha sem a de Graça Paz no espaço dado aos vices, da mesma forma que os dados de Graça Paz não acompanham a foto de Roberto Rocha.

Graça Paz já está no seu quarto mandato como deputada estadual, é casada com o ex-deputado Clodomir Paz e abriu mão da sua reeleição para lançar seu filho, Guilherme Paz.

Roberto Rocha registra sua candidatura no TRE-MA sem o candidato a vice-governador

Roberto Rocha é o único, até o momento, que não apresentou seu companheiro de chapa

O senador e candidato ao Governo do Estado, Roberto Rocha (PSDB), deu entrada no registro de sua candidatura no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, sem apresentar o nome de seu vice.

No sistema do TRE-MA, atualizado na manhã desta terça-feira (14), consta a imagem de Rocha com todos os seus dados, mas desacompanhado das informações de seu vice.

Roberto Rocha é o único, até o momento, que não apresentou seu companheiro de chapa.

Os nomes da deputada estadual Graça Paz e do ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, ambos do PSDB, foram ventilados como possíveis vices. O vereador de Imperatriz Ricardo Seidel, da Rede Sustentabilidade, também foi sondado, mas a indefinição continua, mesmo após o registro da candidatura de Roberto Rocha.

Saída de Catulé Jr. da primeira suplência de José Reinaldo vira assunto nos bastidores da política

Catulé Jr. já havia sido anunciado como primeiro suplente de José Reinaldo em uma grande festa realizada no dia 05 de junho, em Caxias

Causou muitas especulações a saída do advogado e ex-secretário da prefeitura de Caxias, Catulé Júnior, da chapa do deputado José Reinaldo (PSDB), candidato a senador.

Catulé Jr. já havia sido anunciado como primeiro suplente de José Reinaldo em uma grande festa realizada no dia 05 de junho, em Caxias.

Fontes afirmam que a saída de Catulé Jr. da primeira suplência de José Reinaldo foi uma imposição do senador Roberto Rocha. Ele e candidato ao Governo do Estado questionavam o apoio do prefeito de Caxias, Fábio Gentil (PRB) e do presidente da Câmara, Catulé, ao governador Flávio Dino (PCdoB). Como ambos os políticos continuariam no campo governista, a primeira suplência foi tomada de Catulé Jr.

A não confirmação do apoio fez com que a primeira suplência de José Reinaldo fosse para Karla Luciana, filha Zé Genésio, ex-prefeito de Pinheiro. Catulé Jr. não foi contemplado nem com a segunda vaga na suplência, que foi preenchida por Márcio Endles, indicação do Podemos.