Sindicato dos Jornalistas aperta Justiça sobre o caso Décio Sá…

O presidente do TJMA orientou os diretores do Sindicato a buscarem o STJ para verificarem o trâmite do recursos (Foto: Ribamar Pinheiro)

O presidente do Sindicato dos Jornalistas do Maranhão, Douglas Cunha, e  os diretores da entidade, Mário Reis e Uziel Azoubel, reuniram-se com o presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), desembargador Cleones Cunha,  nesta terça-feira (23). Eles solicitaram informações sobre o andamento dos processos que apuram o crime de homicídio contra o jornalista Décio Sá, ocorrido em abril de 2012, após os diversos recursos interpostos pela defesa dos acusados Glaucio Alencar e José de Alencar Miranda.

Após contato com o desembargador José Luiz Almeida – relator dos recursos ajuizados em favor dos acusados  – o presidente do Tribunal de Justiça informou aos sindicalistas que todos os recursos que chegaram à Corte estadual de Justiça passaram por julgamento, porém foram ajuizados novos pedidos ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que, no momento, aguardam decisão.

Na oportunidade, o desembargador Cleones Cunha orientou os diretores do Sindicato dos Jornalistas a buscarem o Superior Tribunal de Justiça para verificarem o trâmite do recursos diretamente relacionados ao caso do assassinato do repórter Décio Sá.

Após o julgamento dos mencionados recursos pelo STJ, o processo – dependendo do entendimento – retornará ao juízo do 1º Grau, para o regular prosseguimento.

Imagens fortes! Fotógrafo é vítima de negligência no Socorrão II e precisa de placa para reparar grave erro…

SEMUS DIZ QUE VAI ABRIR INQUÉRITO ADMINISTRATIVO PARA APURAR ATENDIMENTO FEITO A DANIEL SOARES E, SE COMPROVADA A NEGLIGÊNCIA, TOMARÁ AS MEDIDAS CABÍVEIS.

Parte do calcanhar teve que ser retirado, pois o ferimento, mal tratado, gangrenou

 

Material, que precisa ser adquirido, custa, em média, R$ 900

Eu não sou de mostrar, no blog, imagens fortes, mas o caso do fotógrafo Daniel Soares, que foi vítima de negligência no hospital Socorrão II, em São Luís, choca e merece ser registrado, até para que outros não aconteçam e a  Prefeitura  tome suas  providências, bem como o Ministério Público faça sua parte. Ele sofreu um acidente de moto, no final de abril, e foi levado para a emergência e lá a equipe que o atendeu fez a sutura do ferimento sem fazer a devida assepsia. A parte afetada gangrenou e tiveram que tirar parte do calcanhar do rapaz que agora vive o drama para tentar comprar uma placa de implante para amenizar a situação.

Segundo informações de amigos, Daniel foi atropelado quando descia de um mototáxi, na porta da sua casa, por um carro desgovernado. O condutor, que seria um conhecido político de São José de Ribamar, aparentemente embriagado, evadiu-se do local sem prestar nenhum tipo de socorro.

Amigos, que acompanham o caso de Daniel, também pedem ajuda financeira para comprar a placa, necessária para recompor o calcanhar de Daniel. Ele se encontra internado, no momento, no Socorrão II,  à espera de uma cirurgia plástica para fazer o enxerto. Uma nova intervenção será feita nesta terça-feira (23), mas a família ainda não conseguiu adquirir a placa Urgotil que custa, em média, R$ 900.

Os familiares disponibilizaram a seguinte conta bancária, em nome da mãe do fotógrafo, para arrecadar contribuições espontâneas:

CAIXA ECONÔMICA

AG – 1576
DV – 01200744
OPERAÇÃO – 013
BENEDITA SOARES DE OLIVEIRA

A versão da Semus e do Socorrão II

Em nota à Imprensa, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus), órgão da Prefeitura de São Luís, informou que Daniel de Soares dera entrada no Hospital Clementino Moura (Socorrão II), no último dia 30 de abril, vitima de acidente automobilístico, e recebeu o atendimento recomendando. O paciente retornou à unidade de saúde no dia 8 de maio com quadro infeccioso no local do ferimento, foi submetido a novo procedimento e permanece internado aguardando o laudo do cirurgião plástico para a realização de enxerto na área afetada.

A Semus garantiu, na nota, que está prestando assistência devida à recuperação do paciente e que abrirá procedimento interno para averiguar o atendimento prestado a Daniel Soares, assegurando que, caso sejam comprovadas falhas, adotará as medidas administrativas cabíveis para punição dos culpados.

“A Semus reforça que trabalha para oferecer atendimento adequado a todos os pacientes que procuram a unidade de saúde de emergência que, somada ao Hospital Djalma Marques (Socorrão I), atende diariamente pacientes graves de todo Maranhão”, diz a nota.

Câmara acumula 14 pedidos de impeachment de Michel Temer

Nove pedidos para impedimento do presidente foram apresentados após divulgação de conversa com o empresário Joesley Batista; outros cinco foram protocolados antes de delação.

G1

Situação de Michel Temer começa a ficar insustentável

Câmara dos Deputados já havia recebido, até a tarde desta segunda-feira (22), 14 pedidos de impeachment do presidente Michel Temer.

Do total, nove foram protocolados desde a divulgação de informações da delação premiada dos donos da JBS, Joesley e Wesley Batista. Outros cinco já tramitavam na Casa anteriormente.

A delação dos executivos foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e, com base nas informações, a Corte autorizou a abertura de inquérito para investigar o presidente Michel Temer por suspeitas de corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa.

Diante dos pedidos de destituição do presidente já apresentados, cabe ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidir se aceita ou não os argumentos e dá andamento ao processo de impeachment de Temer.

Além dos 14 pedidos já registrados na Câmara, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, informou nesta segunda-feira (22) que a entidade apresentará, ainda nesta semana, mais um pedido de impeachment de Temer.

No último fim de semana, a OAB aprovou, por 25 votos a 1, entrar com o pedido de impeachment.

Os pedidos

Autor: Mariel Márley Marra, advogado

  • Data da Apresentação: dezembro de 2015
  • O que diz: argumenta que o presidente cometeu o mesmo ato da ex-presidente Dilma Rousseff ao assinar decretos que abriram créditos suplementares sem autorização do Congresso, que seriam incompatíveis com a meta de resultado primário.
  • Situação: aguarda indicação de membros pelos partidos para instalação de comissão especial, mas o processo está judicializado. Em abril do ano passado, o ministro do STF Marco Aurélio Mello concedeu uma liminar (decisão provisória) ao advogado determinando que o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, instalasse uma comissão especial na Casa para analisar o caso, nos moldes do que ocorreu com Dilma. A Câmara, porém, não cumpriu a ordem e não instalou a comissão. Após nova cobrança de Marco Aurélio, o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu, em dezembro de 2016, que o plenário do STF decida se a Casa deve ou não dar prosseguimento ao pedido. A decisão ainda não foi tomada.

Sarney Filho reclama que ministros pressionam por licenciamento ambiental…

Em reunião com Padilha, ministro do Meio-Ambiente diz que titulares de outras pastas estão forçando o Ibama a conceder a licença ambiental

Veja

Zequinha Sarney reclamou em reunião com Padilha

Em reunião com Eliseu Padilha, o ministro do Meio-Ambiente, Zequinha Sarney (PV), reclamou que alguns colegas de ministério estão pressionando o Ibama para acelerar o licenciamento ambiental de algumas obras.

O ministro se queixou também que a nova lei sobre o assunto está recebendo muita pressão no Congresso, afrouxando demais a legislação.

Padilha não deve dar sequência ao choro de Zequinha. Embora seja uma causa importante, o meio-ambiente não pode paralisar o país.

Vídeos – Crateras irritam moradores na Avenida Este Interna e unidade 101 da Cidade Operária…

A Cidade Operária é um dos bairros com mais problemas de infraestrutura em São Luís. Os vídeos acima mostram as condições caóticas da rua 17D, na unidade 101, nas proximidades da Unidade de Ensino Básico Dr Jackson Lago, e da avenida Este Interna.

Na rua 17 D, um morador, que pediu para não ser identificado, gravou o vídeo mostrando que os ônibus e carros, que passam pelo local, são obrigados a trafegar pela calçada da escola, arriscando a vida de transeuntes e de estudantes por conta das crateras encobertas de água barrenta. Ele cobra providências da Prefeitura de São Luís para a via, pois quem mora ali tem muita dificuldade de sair de casa.

Nos vídeos seguintes, outro morador mostra as condições da avenida Este Interna, onde os carros e ônibus só faltam virar ao passarem nas crateras, principalmente quando elas se encontram cheias de água barrenta, lama vermelha.

Os moradores se queixam de que a Prefeitura de São Luís não manda uma equipe aos locais para fazer, pelo menos, serviços de manutenção que amenizem a situação caótica.

Na última sexta-feira (19), o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), o Holandinha, reagiu aos comentários correntes de que ele abandonou a cidade. Gravou um vídeo onde diz que “não seria irresponsável de gastar recursos públicos para serviços de infraestrutura nesse período chuvoso”. E negou que tenha sumido da sua própria administração.

Espera-se que, neste próximo período sem chuvas, o prefeito e seu secretário de Obras, Antônio Araújo, mandem serviços, intervenções de infraestrutura duráveis e eficazes à Cidade Operária para amenizar o sofrimento das famílias que moram no bairro, pois esses problemas são antigos, bem anteriores a estes meses chuvosos de agora.

Hoje, toda a Cidade Operária convive com esses problemas de infraestrutura que culminam em buraqueira, alagamentos, etc. Na semana passada, manifestantes interditaram a avenida de acesso ao Socorrão II em protesto pelo descaso da via, também cheia de buracos.

Você também pode fazer vídeos sobre as condições de ruas e avenidas de seu bairro. É só enviar para o e-mail do blog: [email protected] Nós denunciamos aqui. Estamos a disposição das comunidades.

Polícias do Maranhão e do Tocantins desmontam quadrilha especializada em crimes contra instituições financeiras

Casas lotéricas estavam na mira da quadrilha

Uma operação – desenvolvida por intermédio da Diretoria de Inteligência e Assuntos Estratégicos (Diae) com apoio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) e da Polícia Civil da cidade tocantinense de São Miguel do Tocantins – conseguiu prender Daniel Sampaio Nascimento e Anderson Silva Paiva, ambos suspeitos de arquitetar atos criminosos contra instituições financeiras.

De acordo com informações repassadas pelo superintendente da Seic, Tiago Bardal, a dupla já estava sendo monitorada, pois saíram de Unidades Prisionais das cidades maranhenses de Imperatriz e Davinópolis com o benefício da saída temporária e não retornaram no prazo estipulado.

Até então considerados foragidos da Justiça, a dupla planejava cometer uma onda de assaltos a agências dos Correios e casas lotéricas, em uma modalidade criminosa conhecida como ‘sapatinho’, onde os criminosos sequestram algum familiar do funcionário da instituição financeira, e em seguida o mesmo é obrigado a retirar o dinheiro do cofre para o resgate, algo que também se caracteriza como extorsão mediante sequestro.

A Polícia Civil conseguiu neutralizar a dupla que planeja executar os crimes nos estados do Maranhão, Pará e Tocantins. Com eles, ainda foram apresentados na delegacia de São Miguel do Tocantins para averiguação Oziel Alves de Araújo e Adaires Barbosa de Araújo, suspeitos de participar da quadrilha com apoio logístico.

Em vídeo! Holandinha reagiu…

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr (PDT), também conhecido como Holandinha, reagiu aos comentários correntes de que havia abandonado a administração da cidade e desaparecido dos bairros. Em vídeo gravado e distribuído por seus assessores, nesta sexta-feira (19), ele diz que continua trabalhando e que as intervenções de infraestrutura estão paradas por conta das chuvas.

Segundo Holandinha, qualquer intervenção de infraestrutura ou de “tapa-buraco”, nesse período chuvoso, é desperdício de recursos públicos. Veja o vídeo acima.

Pelo menos, no vídeo, ele reagiu. O povo espera agora a reação na prática.

Leia outros posts sobre o assunto:

Apertem os cintos, Holandinha sumiu…

Para Flávio Dino, agravamento da crise política exige “saída urgente” para evitar piora na economia

Governador Flávio Dino

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), afirmou, através de suas redes sociais, que é necessário encontrar uma “saída urgente” para evitar que o agravamento da crise política nacional fragilize, ainda mais, a situação fiscal brasileira, com reflexo nos serviços para a população. Ele disse que o país vive uma “situação institucional muito grave”.

Para evitar a ingovernabilidade do Brasil, o governador ressaltou ser “decisivo o diálogo entre lideranças e o papel do Supremo Tribunal Federal (STF)”.

Flávio lembrou que os “serviços públicos em muitos Estados já estavam em colapso” antes mesmo dessa última escalada da crise política. “Urgente uma saída que dê real governabilidade e estabilidade ao país.”

“Há risco de aumento da crise fiscal de Estados e municípios, com perspectiva de queda de arrecadação federal. Graves impactos sociais”, afirmou o governador.

Flávio defendeu que “a saída depende de convergência entre poder constituinte originário (povo), constituinte derivado (Congresso) e Tribunal Constitucional (STF)”.

“Sem dúvida, a saída mais adequada ao país: eleições diretas. Só há como viabilizar com as ruas e com juízo de constitucionalidade do STF”, acrescentou o governador.

Ele ainda frisou que não há impedimento para que seja aprovada uma Proposta de Emenda Constitucional prevendo eleições diretas em caso de eventual dupla vacância nos últimos dois anos da Presidência da República.

Escândalo envolvendo Temer atinge em cheio os planos do grupo Sarney no Maranhão…

Escândalo e possível cassação ou impeachment de Temer caíram como uma bomba no grupo Sarney. Na foto, Roseana e Sarney com o presidente ameaçado de queda

Sarney foi um dos articuladores da ascensão de Michel Temer

O Brasil está à beira de uma eleição direta com os ventos que sopram para uma possível cassação do presidente da República, Michel Temer (PMDB), após bombástica delação premiada de um dirigente do frigorífico JBS, que apresentou gravação do peemedebista dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). No Maranhão, a notícia caiu como uma bomba nos planos do grupo Sarney que contava com a estrutura da presidência para tentar retomar o poder perdido no Estado, nas eleições de 2018, com a suposta candidatura de Roseana ao governo do Estado e do deputado federal Sarney Filho (PV) ao Senado.

Esperto, o grupo Sarney se articulou com Michel Temer traindo o PT, inclusive, na manobra pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff de quem também se beneficiou por vários anos. A oligarquia procurou buscar forças, sustentando-se em cargos políticos, ao exemplo do deputado federal Sarney Filho (PV) que virou ministro do Meio Ambiente no governo do peemedebista.

Após a traição a Dilma e ao PT, o grupo Sarney grudou, oportunamente, em Michel Temer igual carrapato na tentativa de conseguir fôlego político. A possível cassação ou impeachment de Michel Temer, hoje primeiro aliado da família, é vista, nos bastidores, como a pá de cal que faltava para “enterrar”, de vez, a oligarquia no Maranhão que estava se articulando para retomar o governo e assegurar vagas no Senado.

Nesta quinta-feira, o desenrolar do escândalo voltou a incomodar o grupo Sarney. O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de inquérito para investigar Michel Temer. O pedido de investigação foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR).
Com a decisão de Fachin, Temer passa formalmente à condição de investigado na Operação Lava Jato. Ainda não há detalhes sobre a decisão, que foi confirmado pela TV Globo.
O pedido de abertura de inquérito foi feito após um dos donos do grupo JBS, Joesley Batista, dizer em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que, em março deste ano, gravou o presidente dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A informação foi divulgada pelo jornal “O Globo”.
A delação de Joesley e de seu irmão, Wesley Batista, foi homologada por Fachin, informou o Supremo nesta quinta-feira.
Pela Constituição, o presidente da República só pode ser investigado por atos cometidos durante o exercício do mandato e com autorização do STF.
Assim, o presidente poderá ser investigado porque os fatos narrados por Joesley Batista na delação teriam sido cometidos em março deste ano, quando Temer já ocupava a Presidência.

 

“NÃO RENUNCIAREI”, DIZ MICHEL TEMER EM PRONUNCIAMENTO

Michel Temer fez um pronunciamento na tarde desta quinta-feira

O presidente Michel Temer afirmou, na tarde desta quinta-feira (18), no Palácio do Planalto, que não teme delação e que não renunciará. Ele fez um pronunciamento motivado pela delação premiada dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da JBS. As delações já foram homologadas pelo Supremo Tribunal Federal. Nesta quinta, o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF, autorizou a abertura de inquérito para investigar o presidente.
“No Supremo, mostrarei que não tenho nenhum envolvimento com esses fatos. Não renunciarei. Repito: não renunciarei. Sei o que fiz e sei a correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida para os esclarecimentos ao povo brasileiro. Essa situação de dubiedade e de dúvida não pode persistir por muito tempo”, declarou.
Reportagem publicada no site do jornal “O Globo” nesta quarta (17) informou que Joesley Batista entregou ao Ministério Público gravação de conversa na qual ele e Temer falaram sobre a compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato.
“Não temo nenhuma delação, nada tenho a esconder”, disse Temer. “Nunca autorizei que se utilizasse meu nome”, declarou o presidente.
Ele afirmou que nunca autorizou que se pagasse a alguém para ficar calado. “Em nenhum momento autorizei que pagasse a quem quer que seja para ficar calado. Não comprei o silêncio de ninguém”, declarou.