Os apelidos políticos da lista de propina da Odebrecht…

Globo.com

Viagra, Barbie, Fodinha, Maçaranduba, Garanhão e Kibe são alguns dos apelidos encontrados nas planilhas da Odebrecht; veja a lista.

Parece apenas brincadeira, mas a critividade dos executivos da Odebrecht para criar apelidos a beneficiados de valores repassados pela empresa tinha um motivo prático.
Segundo Benedicto Júnior, diretor do “departamento da propina” da Odebrecht, os apelidos eram usados para que os funcionários do “baixo clero” da área que fazia os repasses irregulares não ficassem sabendo para quem ia o dinheiro.
As pessoas que tinham contato com as autoridades é que escolhiam os codinomes. Como não havia um centralizador nas operações, o mesmo beneficiado pode aparecer com mais de um apelido, ou então, o mesmo apelido ser usado para designar pessoas diferentes.
A lista abaixo tomou como base os vídeos e documentos das delações premiadas de executivos da Odebrecht e inclui apenas os políticos que receberam dinheiro da empresa. Políticos citados na chamada “lista de Fachin” negam as irregularidades.
Confira os apelidos e a quem se referem:
Abelha – Francisco Appio, ex-deputado estadual (PP-RS)
Acelerado – Eduardo Siqueira Campos (DEM-TO)
Aço – Wellington Magalhães, vereador (PTN-MG)
Adoniran – Braz Antunes Mattos Neto, vereador (PSD-SP)
Anão – Antonio Carlos Magalhães Neto, prefeito (DEM)
Alba – Tiago Correia, vereador (PSD-BA)
Alemão – Carlos Todeschini (PT-RS)
Alemão – Valdir Raupp (PMDB-RO)
Aliado ou Gremista – Marco Maia, deputado federal (PT-RS)
Amante ou Coxa – Gleisi Hoffmann, senadora (PT-PR)
Amarelou – Durval Amaral, presidente do Tribunal de Contas do Paraná (TCE-PR)
Amigo – Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente (PT-SP)
Amigo C – Paulo Câmara, vereador (PSDB-BA)
Angorá, Bicuíra ou Fodão – Eliseu Padilha, ministro (PMDB-RS)
Aquático – João Fischer (Fixinha), deputado estadual (PP-RS)
Aracaju – Aloizio Mercadante (PT-SP)
Asfalto – Jaime Martins, deputado federal (PSD-MG)
Aspirina – Angela Amin, ex-prefeita (PP-SC)
Atleta – Renan Calheiros (PMDB-AL)
Atravessador – Alcebíades Sabino, ex-deputado estadual (PSC – RJ)
Avião – Manuela D’Ávila, deputada federal (Pc do B-RS)
Azeitona – José Fernando de Oliveira, ex-deputado (PV-MG)
Ex-executivo da Odebrecht, Benedicto Júnior confirma lista de apelidos em depoimento
Babão – Iris Rezende, prefeito (PMDB-GO)
Babel – Geddel Vieira Lima, ex-ministro (PMDB-BA)
Babosa – Paulo Alexandre Barbosa, prefeito (PSDB-SP)
Baianinho – Paulo Hartung, governador (PMDB-ES)
Baixada – Manoel Neca (PP)
Balzac – Yeda Crusius, deputada federal (PSDB-RS)
Barão – Carlin Moura, ex-prefeito (PC do B-MG)
Barbie ou Belo Horizonte – Marta Suplicy, senadora (PMDB-SP)
Barrigudo – Fabio Ramalho, deputado federal (PMDB-MG)
Batalha ou Chorão – Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB (PSDB-PE)
Bateria – Maria do Carmo Lara Rezende, ex-prefeita (PT-MG)
Belém ou M&M – Geraldo Alckmin, governador (PSDB-SP)
Benzedor – João Paulo Papa, deputado federal (PSDB-SP)
Bico – Geraldo Júnior, secretário municipal (SD-BA)
Bitelo – Lúcio Vieira Lima, deputado federal (PMDB-BA)
Biscoito – Sandro Mabel, ex-deputado federal (PR-GO)
BMW ou Manso – Beto Mansur, deputado federal (PRB-SP)
Boa Vista – Paulinho da Força, deputado (SD-SP)
Boca mole – Heráclito Fortes, deputado federal (PSB)
Bocão – Sandro Boka, ex-deputado (PMDB-RS)
Boiadeiro – João Paulo Rillo, deputado estadual (PT-SP)
Bolinha ou Pescador – Anthony Garotinho, ex-governador (PR-RJ)
Bonitão ou Garanhão – Fabio Faria, deputado (PSD-RN)
Bonitão, Pavão, Bonitinho, Velho, Casa de Doido – Julio Lopes, deputado federal (PP-RJ)
Bonitinho – Robinson Faria, governador (PSD-RN)
Boquinha – Sérgio Borges, ex-deputado (PMDB-ES)
Botafogo ou Déspota – César Maia, ex-prefeito do Rio (DEM-RJ)
Botafogo – Rodrigo Maia, presidente da Câmara (PMDB-RJ)
Buzu – Henrique Carballal, vereador (PV-BA)
Brasília – Fernando Capez, deputado estadual (PSDB-SP)
Brigão, Piloto – Beto Richa, governador (PSDB-PR)
Bronca – Paulo Rubem Santiago, ex-deputado (PSOL-PE)
Bruto – Raul Jungmann, ministro (PPS-PE)
Caim – Osmar Dias, ex-senador (PDT)
Caju – Romero Jucá, senador (PMDB-RR)
Candomblé – Edvaldo de Brito, vereador (PSD-BA)
Campinas – Francisco Chagas, ex-vereador (PT-SP)
Caldo – Blairo Maggi, ministro (PP-MT)
Calvo – Pablito, ex-vereador (PSDB-MG)
Campari – Gim Argello, ex-senador (PTB-DF)
Canário – Esmael de Almeida, deputado estadual (PMDB-ES)
Carajás – Arnaldo Jardim, secretário estadual (PPS-SP)
Carmem – Fabiano Pereira, ex-deputado (PSB-RS)
Caranguejo – Eduardo Cunha, ex-deputado federal (PMDB-RJ)
Carrossel – Rosalba Ciarlini, prefeita (PP-RN)
Castor – Rodrigo de Castro, deputado federal (PSDB-MG)
Cavanhaque – Helder Barbalho, ministro (PMDB-PA)
Centroavante – Renato Casagrande, ex-governador (PSB-ES)
Cérebro – Mendes Ribeiro Filho, ex-deputado (PMDB-RS)
Cerrado – Ciro Nogueira, senador (PP-PI)
Chaveiro – José Chaves, ex-deputado (PTB-PE)
Chefe Turco, Kibe ou Projeto – Gilberto Kassab, ministro (PSD-SP)
Chorão – Pedro Eurico, secretário estadual (PSDB-PE)
Cintinho – Mauro Lopes, deputado (PMDB-MG)
Cobra – Wilma de Faria, vereadora (PT do B-RN)
Colorido – Fábio Branco, secretário estadual (PMDB-RS)
Coluna – Ana Amélia Lemos, senadora (PP-RS)
Comprido – Agnelo Queiroz, ex-governador (PT-DF)
Comuna – Daniel Almeida, deputado federal (PC do B-BA)
Conquistador – Dalírio Beber, senador (PSDB-SC), e Napoleão Bernardes, prefeito de Blumenau (PSDB-SC)
Contador – Paulo Ferreira, ex-tesoureiro do PT (PT-RS)
Contas – Arselino Tatto, vereador (PT-SP)
Correios – Alexandre Postal, deputado estadual (PMDB-RS)
Crusoé – Robson de Lima Apolinário, ex-deputado suplente (PDT-SP)
Cruzeiro do Sul – Barros Munhoz, deputado estadual (PSDB-SP)
Curitiba – Roberto Freire, ministro (PPS-SP)
Marcelo Odebrecht confirma que codinome amigo fazia referência a Lula
Da Casa – Alberto Pinto Coelho, ex-governador (PP-MG)
Da hora – Carlos Melles, deputado federal (DEM-PR)
Decodificado – Luiz Carlos Hauly, deputado federal (PSDB/PR)
Decrépito – Paes Landim, deputado federal (PTB-PI)
Dengo – Antonio Anastasia, senador (PMDB-MG)
Dentada – Gustavo Correa , deputado estadual (DEM-MG)
Dentuço – Gustavo Fruet, ex-prefeito de Curitiba (PDT-PR)
Desesperado – Germano Rigotto, ex-governador (PMDB-RS)
Diamante – Paulo Abi Ackel, deputado federal (PSDB-MG)
Disco – Luiz Paulo Correa da Costa, deputado estadual (PSDB-RJ)
Diplomata – Hugo Napoleão, ex-governador (PSD-PI)
Do reino – Fernando Pimentel, governador (PT-MG)
Doutor – Juarez Amorim (PPS-MG)
Drácula – Humberto Costa, senador (PT-PE)
Duro – Ricardo Ferraço, senador (PSDB-ES)
Educador – Paulo Henrique Lustosa, deputado federal (PP-CE)
Ema – Lúdio Cabral, ex-vereador (PT-MT)
Enteado – José Otávio Germano, deputado federal (PP-RS)
Escuro – Marco Alba, prefeito (PMDB-RS)
Escritor – José Sarney (PMDB), ex-presidente
Esquálido – Edison Lobão, senador (PMDB-MA)
Eva – Adão Vilaverde, deputado estadual (PT-RS)
Fantasma – Ideli Salvatti, ex-ministra (PT-SC)
Fazendão – Elbe Brandão, deputada estadual (PSDB-MG)
Feia – Lídice da Mata, senadora (PSB-BA)
Feio ou Lindinho – Lindbergh Farias, senador (PT-RJ)
Ferrari ou Grisalhão – Delcídio do Amaral, ex-senador (MS)
Filhinho ou Filinho ou Gordo – Dimas Fabiano Jr., deputado federal (PP-MG)
Filho – Paulo Bornhausen, ex-deputado (PSB-SC)
Filho do reino – Luciano Rezende, prefeito (PPS-ES)
Filhote – Luiz Paulo Vellozo, ex-prefeito (PSDB-ES)
Filósofo – Paulo Bernardo, ex-ministro
Fino – Bruno Siqueira, prefeito (PMDB-MG)
Flamengo – Adrian Mussi, ex-deputado federal (PMDB-RJ)
Fodinha – Frederico Antunes, deputado estadual (PP-RS)
Fósforo – Tarcísio Caixeta, vereador (PC do B-MG)
Fragmentada – Weliton Prado, deputado federal (PMB-MG)
Frances – Célio Moreira, deputado estadual (PSDB-MG)
Delação da Odebrecht: João Borba Filho diz que codinome de Cabral era ‘Próximus’
Garoto – Otávio Leite, deputado federal (PSDB-RJ)
Goleiro – Paulo Magalhães Júnior (PV-BA)
Gordo – Pimenta da Veiga (PSDB-MG) e Antonio Anastasia, senador (PSDB-MG)
Grego – Jorge Piciani, deputado estadual (PMDB-RJ)
Grenal – Valdir Andres, ex-prefeito (PP-RS)
Gripe – Cesar Colnago, vice-governador (PSDB-ES)
Gripado ou Pino – José Agripino, senador (DEM-RN)
Grisalho – Arlindo Chinaglia, deputado (PT-SP)
Grosseiro – Plauto Miró, deputado estadual (DEM-PR)
Guarulhos – Carlos Zarattini, deputado federal (PT-SP)
Guerrilheiro – José Dirceu, ex-ministro (PT), ou João Vaccari, ex-tesoureiro do PT
Igreja – Bernardo Santana, deputado (PR-MG)
Inca – Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados (DEM-RJ)
Índio – Eunício de Oliveira, presidente do Senado (PMDB-CE)
Inferno – Ronaldo Santini, deputado estadual (PTB-RS)
Itabuna – Campos Machado, deputado estadual (PTB-SP)
Itacaré – Celso Russomanno, deputado federal (PRB-SP)
Italiano – Audifax Barcelos, prefeito (Rede-ES)
Italiano – Antonio Palocci, ex-ministro (PT-SP)
Itambé – Edinho Silva, prefeito (PT-SP)
Itatiaia – José Maria Eymael (PSDC-SP)
Itumbiara – Edson Aparecido dos Santos (PSDB-SP)
Jacaré – Jader Barbalho, senador (PMDB-PA)
Jangada – Luiz Carlos Busato, deputado federal (PTB-RS)
João Pessoa – Vicentinho, deputado federal (PT-SP)
Jogador – Márcio Reinaldo, prefeito (PP-MG)
Jornalista – Elismar Prado, deputado estadual (PDT-MG)
Jovem – Adolfo Viana, deputado estadual (PSDB-BA)
Jujuba – Bruno Araújo, ministro (PSDB-PE)
Justiça – Renan Calheiros, senador (PMDB-AL)
Kimono – Artur Virgílio, prefeito (PSDB-AM)
Lagarto ou Largato – Gil Pereira, deputado estadual (PP-MG)
Lamborghini – Luiz Fernando T. Ferreira, deputado estadual (PT-SP)
Lento – Garibaldi Alves, senador (PMDB-RN)
Lima – Luiz Fernando Faria, deputado federal (PP-MG)
Louro – João Alves Filho, ex-prefeito (DEM-SE)
Macapá – Ricardo Montoro, ex-deputado estadual (PSDB-SP)
Machado – Kátia Abreu, senadora (PMDB-TO)
Maçaranduba – Ivo Cassol, senador (PP-RO)
Magma – Guilherme Lacerda (PT-ES)
Manaus – Aloysio Nunes, ministro (PSDB-SP)
Masculina – Iriny Lopes, ex-deputada federal (PT-ES)
Médico – Colbert Martins Filho, vice-prefeito (PMDB-BA)
Menino da floresta – Tião Viana, senador (PT-AC)
Mercedes – Edinho Bez, ex-deputado federal (PMDB-SC)
Metalúrgico – Nilmário Miranda, secretário estadual (PT-MG)
Mineirinho – Aécio Neves, senador (PSDB-MG)
Misericórdia – Antônio de Brito, deputado federal (PSD-BA)
Missa – José Carlos Aleluia, deputado federal (DEM-BA)
Moleza – Jutahy Magalhães, deputado federal (PSDB-BA)
Montanha – Marcos Montes, deputado federal (PSD-MG)
Montanha – Paulo Pimenta, deputado federal (PT-RS)
Musa – Ana Paula Lima, deputada estadual (PT-SC)
Navalha – Arlete Magalhães, deputada estadual (PV-MG)
Navalha – Wellington Magalhães, vereador (PTN-MG)
Navegante – José Anibal, ex-senador (PSDB-SP)
Natal – José Genoíno, ex-presidente do PT (PT-SP)
Nervosinho – Eduardo Paes, ex-prefeito do Rio (PMDB-RJ)
Neto – Eduardo Campos, ex-governador (PSB-PE)
Novilho ou Charada – Fernando Bezerra, senador (PSB-PE)
Novo – Max Filho, prefeito de Vila Velha (PSDB-ES)
Nulo ou Duro – Ricardo Ferraço, senador (PSDB-ES)
Oxigênio – Hudson Braga, secretário de obras do RJ
Veja apelidos dados a políticos nas planilhas de doações da Odebrecht
Padre – Josenildo Sinésio, ex-vereador de Recife (SD-PE)
Padrinho – Eduardo Azeredo, ex-governador de MG (PSDB-MG)
Palmas – Vicente Candido, deputado (PT-SP)
Parente – André Vargas, ex-deputado federal por SC (sem partido)
Paris – Márcio França, vice-governador de SP (PSB-SP)
Parreira – José Roberto Arruda, ex-governador (ex-DEM)
Passadão ou Triângulo – Jorge Bittar, ex-deputado federal (PT-RJ)
Patati ou Padeiro – Marconi Perillo, governador (PSDB-GO)
Pavão ou Velhos – Julio Lopes, secretário de transportes (PP-RJ)
Pavão – Ivar Pavan, ex-deputado estadual (PT-RS)
Pelé – Nelson Pellegrino, deputado federal (PT-BA)
Pequeno – Sérgio Aquino, candidato a prefeito de Santos (PMDB-SP)
Persa – Ayrton Xerez, ex-deputado federal (DEM-RJ)
Pescador – Zeca do PT, deputado federal (PT-MS)
Polo – Jaques Wagner, ex-governador (PT-BA)
Ponta Porã ou Corredor – Duarte Nogueira, prefeito (PSDB-SP)
Pós-italiano ou Pós-itália – Guido Mantega, ex-ministro
Poste – Marcio Lacerda, ex-prefeito (PSB-MG)
Praia – Ademar Traiano, deputado estadual (PSDB-PR)
Primo – Moreira Franco, ministro da secretaria geral da presidência (PMDB-RJ)
Princesa – Cida Borghetti, vice-governadora do PR (PP-PR)
Prosador – Cássio Cunha Lima, senador (PSDB-PB)
Protegida – Lorena de Fátima Arrué Dias, candidata (PSDB-RS)
Proximus – Sérgio Cabral, ex-governador do RJ (PMDB-RJ)
Proximus – Luiz Fernando Pezão, governador do RJ (PMDB-RJ)
Rasputinzinho – Bernardo Ariston, ex-deputado federal (PMDB-RJ)
Ribeirão Preto – Roberto Massafera, deputado estadual (PSDB-SP)
Rio – Marcelo Nilo, deputado estadual (PSL-BA)
Roberval Taylor – Mário Kertesz, ex-prefeito (PMDB)
Roxinho – Fernando Collor, senador (PTC-AL)
Sábado – Domingos Sávio, deputado estadual (PSDB-MG)
Santo André – João Paulo Cunha, ex-deputado (PT-SP)
Sapato – Alexandre Passos, ex-presidente da Câmara de Vitória (PT-ES)
Segundo – Juarez Amorim (PPS-MG)
Silo – Alexandre Silveira, secretário estadual de saúde (PSD-MG)
Solução – Maria do Rosário, deputada federal (PT-RS)
Soneca – Waldir Pires, (PT-BA)
Suíça – Rodrigo Garcia (DEM-SP)
Teco – Tico Lacerda (PDT-SC)
Timão – Andrés Sanchez, deputado federal (PT-SP)
Tio – Gustavo Valadares, deputado estadual (PSDB-MG)
Todo Feio e Cunhado – Inaldo Leitão (sem partido)
Trincaferro – Beto Albuquerque, deputado federal (PSB-RS)
Tuca – Arthur Maia, deputado federal (PPS-BA)
Vaqueiro – Ronaldo Caiado, senador (DEM-GO)
Verdinho – André Correa, deputado estadual (PSD/RJ)
Viagra – Jarbas Vasconcelos, deputado federal (PMDB-PE)
Vizinho – José Serra, senador (PSDB-SP)
Wanda – Antonio Andrade, vice-governador (PMDB-MG)
Zagueiro – Júlio Delgado, deputado federal (PSB-MG)
Partidos

Além dos políticos, as planilhas da Odebrecht também mostraram que alguns partidos eram identificados como times de futebol. Por exemplo, o PT era o Flamengo, e o PSDB, o Corinthians. O PR ganhou o codinome de São Paulo e o DEM, de Fluminense (veja a lista completa abaixo).

Os documentos foram entregues ao Ministério Público Federal (MPF) pelo delator Luiz Eduardo Soares, que atuou no Setor de Operações Estruturadas – como era chamado o departamento de propinas da empreiteira.

Uma ideia sobre “Os apelidos políticos da lista de propina da Odebrecht…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *