Pesquisa Exata aponta que Flávio Dino venceria Roseana Sarney no primeiro turno

Marrapá

Segundo pesquisa Exata, Flávio Dino venceria Roseana Sarney no primeiro turno

Recente pesquisa realizada pelo instituto Exata aponta que, caso as eleições para o Governo do Estado fossem hoje, o governador Flávio Dino (PCdoB) seria reeleito ainda no primeiro turno em uma eventual disputa com Roseana Sarney (PMDB).

Flávio Dino marcou 59 pontos percentuais contra apenas 26% de Roseana. Nulos e brancos são 10% do entrevistado e 5% disseram não saber ou não responderam.

A consulta também mostrou a dificuldade da ex-governadora em mudar esse quadro, pois 47% (rejeição) disseram que não votariam nela de jeito nenhum, quase o dobro do número de votos que ela recebeu dos entrevistados.

Foram ouvidas entre os dias 23 e 26 de março 1400 pessoas em 40 municípios do Maranhão. Como a pesquisa foi feita fora do período eleitoral, não é necessário o registro no Tribunal Regional Eleitoral.

Presidência do PT – Chapa de Zé Inácio está em primeiro na apuração dos votos…

Zé Inácio deve ficar em primeiro na votação direta, mas ainda terá que passar pelo congresso e votação de delegados na disputa pela presidência estadual do PT

O deputado  estadual Zé Inácio está na frente na disputa pela presidência estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) no Maranhão. A parcial de votos, que incluiu 161 urnas apuradas, dentre elas cinco que foram impugnadas, até a manhã desta terça-feira (11), às 11h, totalizava 83,42% de urnas apuradas. Ao todo, 193 municípios participaram do Processo de Eleições Diretas (PED) do PT no Estado.

A chapa “Zé Inácio e CNB – Por um Maranhão Mais Justo para Todos e para Lula” está em primeiro lugar na apuração, com 41,48%. Em segundo lugar está a chapa “É Mudança – Lobato Presidente”, com 34,35%, seguido das chapas “CNB na Luta 2018 – Francimar Presidente”, com 14,34%, “Lula Presidente – Paulo Romão”, com 8,03%, e “Piracema Mudança- Eri Castro”, com 1,79%, respectivamente.

Em números, Zé Inácio conta com um total de 4555 votos, seguido de Lobato, com 3772, o que contabiliza uma diferença de 783 votos a favor do deputado petista. Francimar está em terceiro lugar, com 1574 votos, seguido de Paulo Romão, com 882, e  Eri Castro, com 197 votos.

O resultado final está previsto para ser divulgado ainda hoje ou amanhã. Não se sabe a hora, pois o processo segue com impugnações de urnas.

Operação faz apreensões e investiga repasses suspeitos em Pio XII durante eleições…

Operação investiga movimentações suspeitas, durante eleições passadas em Pio XII

A Justiça do Maranhão determinou busca e apreensão nas residências do ex-prefeito de Pio XII, Paulo Roberto Sousa Veloso, e do ex-secretário de Finanças, Melquizedeque Fontenele Nascimento, consequência de uma denúncia grave de transferências bancárias suspeitas, durante as eleições passadas. Os mandados da Operação Diafaneia foram cumpridos nesta quinta-feira, 16. Foram apreendidos documentos, computadores, uma arma e três munições, pendrives e hd externos. A investigação segue a pedido do Ministério Público do Maranhão.

Investigando, o Ministério Público descobriu várias transferências bancárias de valores acima de R$ 50 mil para empresas investigadas pela Promotoria de Justiça em semanas anteriores às eleições de 2016.

Diante dessas informações, repassadas pelo Banco do Brasil, o promotor de justiça Francisco Thiago Rabelo requisitou ao então prefeito, Paulo Roberto Veloso, que esclarecesse a motivação das transferências, apresentando contratos e licitações. Também foram solicitados os processos de pagamento de agosto até 31 de dezembro do ano passado. Nenhuma requisição do MP foi respondida pelo Executivo municipal.

O prefeito eleito comunicou ao MP, em 7 de dezembro, que tentou realizar a transição municipal mas não obteve acesso aos documentos. Em seguida, a Promotoria de Justiça ajuizou notificação judicial a fim de obrigar Paulo Roberto Veloso a cumprir o processo de transição, mas a notificação nem chegou a ser apreciada pelo Poder Judiciário.

Em fevereiro deste ano, a Promotoria de Justiça requisitou ao atual gestor informações acerca da transição municipal e foi informada que não recebeu quaisquer documentos, a exemplo de licitações, contratos, processos administrativos, folhas de pagamento etc. Os computadores foram deixados formatados ou faltando peças.

Além do promotor de justiça Francisco Thiago Rabelo, titular da comarca de Pio XII, a operação teve a participação da promotora de justiça de Olho d’Água das Cunhãs, Gabriele Gadelha, e dos delegados da Polícia Civil Ederson Martins (regional de Santa Inês), Alex Andrade Coelho (Santa Luzia), Diego Fernandes Rocha (Pio XII) e Clarismar de Oliveira Filho (Santa Inês).

Juiz valida posse de Zé Vieira e determina nova eleição à presidência da Câmara de Bacabal

O juiz também determinou uma nova eleição à presidência da Câmara para o dia 3 de fevereiro.

O juiz da 1ª Vara da Comarca de Bacabal,
Marcelo Moreira, decidiu validar a posse do prefeito de Bacabal, Zé Vieira (PP), e do seu vice, mas determinou a realização de nova eleição para a presidência da Câmara de Vereadores.

Ele também expediu ofício à Caixa Econômica dando ciência da decisão, o que deve possibilitar o acesso do prefeito eleito às contas municipais.

O despacho foi dado em ação proposta pelo vereador Edvan Brandão (PSC), um dos “eleitos” como presidente da Casa no dia 1º de janeiro.

Na decisão desta sexta, o magistrado declarou empossados quase todos os vereadores, à exceção do professor Maninho (PRB), que havia presidido a primeira sessão do ano, mas acumulava cargos de professor e vereador; e Joãozinho do Algodãozinho (SD), que não apresentou diploma. Ficou marcada para o dia 3 de fevereiro a nova eleição no legislativo municipal.

A sessão deverá ser presidida pelo vereador mais idoso. Após a eleição do novo presidente, a Câmara deverá convalidar a posse de Zé Vieira.

Donald Trump e a surpresa nas eleições dos EUA…

IstoÉ

Donald Trump venceu a eleição presidencial nos Estados Unidos em uma disputa acirrada contra Hillary Clinton

Donald Trump venceu a eleição presidencial nos Estados Unidos em uma disputa acirrada contra Hillary Clinton

O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, o magnata Donald Trump, surpreendeu a maioria dos prognósticos e foi eleito o 45º presidente do país na madrugada desta quarta-feira, 9. Ele contou com um bom desempenho em Estados-chave como Flórida e Ohio e vitórias surpreendentes em Michigan e Wisconsin para tirar os democratas da presidência. De acordo com projeções às 5h30, Trump conquistou o Estado de Wisconsin chegando a 276 delegados – 6 a mais do que os 270 necessários para ser eleito – contra 218 de Hillary.

Pouco antes da confirmação da eleição de Trump o diretor de campanha de Hillary Clinton, John Podesta, discursou para os apoiadores da democrata que acompanhavam a apuração no QG montado pelo partido em Manhattan e afirmou que ela não faria nenhum discurso nesta madrugada, adiando para quarta-feira o reconhecimento da derrota. “Não teremos nada para dizer nesta noite (madrugada de quarta-feira no Brasil). Então me escutem: todos deveriam ir para casa e dormir. Teremos mais para falar amanhã”, disse Podesta.

O resultado da eleição deve provocar profunda mudanças nos Estados Unidos. Ao longo da campanha, sob o lema de “fazer a América grande outra vez”, o magnata prometeu construir um muro na fronteira com o México, expulsar imigrantes ilegais e proibir a entrada de muçulmanos nos Estados Unidos.
Além disso, Trump se mostrou favorável a isolar os Estados Unidos no cenário global, dando às costas a acordos comerciais e parcerias militares como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Apesar disso, o candidato se mostrou favorável a uma reaproximação com a Rússia de Vladimir Putin.

Ao longo da campanha, Trump recebeu apoio de ícones da extrema direita americana, como David Duke – ligado à Ku Klux Klan, entidade racista do sul dos EUA – e a milícias de extrema direita. O candidato também prometeu prender Hillary caso assuma a Casa Branca.

Com discursos centrados nas frustrações e inseguranças dos americanos num mundo em mutação, tornou-se a voz da mudança para milhões deles. E ele fez explodir um Partido Republicano com dificuldades para entender seus eleitores e incapaz de encontrar um modo de parar o tornado Trump.

SSP divulga balanço da Operação ‘Eleições 2016’ no segundo turno

Segurança fez balanço de operação

Segurança fez balanço de operação Eleições 2016

O segundo turno das eleições na capital transcorreu sem registros de ocorrências e dentro da normalidade. Balanço divulgado pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP-MA) apontou como resultado da operação ‘Eleições 2016’ apenas três situações no período, todas consideradas de menor potencial ofensivo e que não resultaram em autuação ou prisão. Para os casos foram abertos Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) para fins de controle do sistema. O anúncio foi feito durante coletiva à imprensa, na manhã desta segunda-feira (31), na sede da SSP, Vila Palmeira.

“Parabenizo o trabalho de toda a corporação que se compromissou em garantir a total segurança neste segundo momento das eleições, conforme foi pactuado com a Justiça Eleitoral. O Estado prestou seu apoio ao aparato federal e tivemos esse resultado positivo”, ressaltou o secretário de Estado de Segurança Pública, Jefferson Portela. O secretário atribuiu o sucesso da operação ‘Eleições 2016’ ao trabalho conjunto de todas as polícias – do Estado, Federal – com apoio do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA). “Trabalhamos com a integração das forças policiais, resultando na normalidade do pleito. Queremos levar essa integração para além do período eleitoral”, reforçou Portela.

O balanço do segundo turno registrou um caso de declaração aberta de voto em seção eleitoral, o que não é permitido. O autor foi orientado a não proceder no ato. Outro caso refere à utilização de material de campanha em via pública, também proibido por configurar possibilidade de indução do eleitor. E o terceiro caso foi de um advogado atuando como fiscal de coligação que portava botton do candidato. Ele foi orientado a retirar o material para prosseguir no trabalho de fiscalização. “A operação preventiva da Segurança conseguiu coibir os crimes mais comuns deste período como a compra de votos e a boca urna, e, qualquer ocorrência que pudesse tumultuar esse momento democrático”, destacou o delegado geral de Polícia Civil, Lawrence Melo.

O delegado Lawrence Melo acrescentou, ainda, que as eleições foram tranquilas e a vontade popular plenamente exercida. Para o comandante geral da Polícia Militar, José Frederico Pereira. “O compartilhamento de informações e o trabalho conjunto das Forças culminaram com este que foi um dos processos eleitorais mais tranquilos que já tive conhecimento, em toda a minha experiência com eleições”, enfatizou Pereira.

Participaram, ainda, da coletiva o comandante geral do Corpo de Bombeiro, coronel Célio Roberto, cujas equipes fizeram a guarda das urnas durante o período; e o Superintendente de Polícia Civil do Interior (SPCC), Dircival Rodrigues.

A SSP-MA destacou um contingente de mais de 11 mil policiais, sendo 600 policiais militares exclusivamente para garantir a escolta das urnas às seções de votação para o segundo turno eleitoral em São Luís – incluídos aí, equipes do interior do estado e Corpo de Bombeiro. Foram 16 equipes de policiais distribuídos para garantir que as 1.968 urnas fossem entregues nos 260 locais de votação para as eleições. O planejamento contou ainda com reforço de 1,5 mil oficiais das Forças Armadas.

TRE confirma êxito

A tranquilidade do processo foi atestada, também, pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargador Lourival Serejo. Ele elogiou o trabalho de todos os envolvidos no processo eleitoral, destacando o esquema de segurança que garantiu tranquilidade antes, durante e após a votação.

“Temos a satisfação de fazer este anúncio coroado de êxito. Atravessamos esse processo com coragem, planejamento, organização e muita disposição de nossos servidores e isto é um orgulho para a Justiça Eleitoral em prestar esse serviço à comunidade de São Luís e à democracia”, disse o desembargador. Serejo ressaltou ainda o compromisso com a ética, transparência, celeridade e com a solidificação da República no processo. “E a imprensa, novamente, agiu como aliada porque contribuiu para a transparência das eleições”, destacou.

Othelino registra crescimento de Edivaldo e rebate Wellington sobre eleições em São Luís

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) registrou, na sessão desta quarta-feira (26), o crescimento da campanha do candidato à reeleição em São Luís, prefeito Edivaldo Holanda Jr, com reflexos nas últimas pesquisas que confirmam a sua liderança, e repercutiu a declaração do voto do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), ao pedetista. Ele rebateu também, de forma respeitosa, declarações pejorativas do parlamentar Wellington do Curso sobre o chefe do Executivo nesse processo eleitoral.

Othelino disse que o governador Flávio Dino anda sim e conhece muito bem São Luís, tanto é que se posicionou e encontrou razões para votar na reeleição do prefeito Edivaldo. Ele discordou das palavras de Wellington quando diz que, “se o governador andasse por São Luís, ele não apoiaria a reeleição do prefeito”. “É por andar muito na cidade, é por amar a capital que nós apoiamos o prefeito Edivaldo Holanda Junior”, comentou.

Na tribuna, o deputado lembrou que nem Wellington tem convicção do apoio ao candidato que ele escolheu, no caso Eduardo Braide (PMN). Ele disse que respeita a escolha, mas nas palavras dele, em pronunciamento lá no curso da família, quando manifestou as razões pelas quais decidiu apoiar o colega, ele próprio manifestou o incômodo quando afirmou, claramente, que não estava confortável com a própria decisão, ao declarar que o agora aliado “não é flor que se cheire”.

“Então, se ele que manifestou o apoio não está confiando, imagine os eleitores que ele está querendo induzir. Não fomos nós que dissemos, o próprio deputado Wellington afirmou, quando foi justificar o voto, que o candidato dele não é flor que se cheire. Eu não estou concordando com a afirmação, eu estou apenas reprisando e enfatizando as palavras do parlamentar”, comentou Othelino.

Para o deputado do PCdoB, se Wellington acha que o candidato Braide não é flor que se cheire, ele não deveria pedir voto para ele, porque isso é incoerente. “Eu peço voto para o prefeito Edivaldo Holanda Júnior porque eu confio nele, porque o mesmo está fazendo um bom trabalho e porque eu não tenho vergonha de andar com ele em qualquer lugar desta cidade. Se eu tivesse o mínimo de vergonha, eu não pediria votos para ele”, alfinetou.

Pavimentação incomoda

Segundo Othelino Neto, quem se incomoda quando chega a pavimentação a uma rua de um bairro de São Luís é quem não vive na poeira, vendo as pessoas adoecerem com problemas respiratórios, a ambulância não poder chegar, etc. “Esse pessoal, que não vive na poeira, realmente se incomoda, mas não é isso. Está assim porque sabe que vai perder a eleição”, frisou.

“Não estou dizendo que a cidade não tenha problemas, o próprio Edivaldo disse, em seu programa eleitoral, que a gestão não é perfeita, a capital tem dificuldades, mas o prefeito já fez muito e está fazendo muito mais. Eu vejo os adversários se incomodarem, por exemplo, quando chega a pavimentação asfáltica aos bairros de São Luís, como se o prefeito, por ser candidato à reeleição, não devesse mais trabalhar”, comentou Othelino.

As razões da alta rejeição de Eduardo Braide neste segundo turno…

O Imparcial

Eduardo Braide, rejeição aumenta a cada dia de acordo com as últimas pesquisas

Eduardo Braide: rejeição aumenta a cada dia de acordo com as últimas pesquisas

No decorrer do segundo turno à Prefeitura de São Luís vieram à tona uma série de denúncias envolvendo o deputado estadual Eduardo Braide (PMN), que disputa a fase final do pleito com o atual prefeito e candidato à reeleição, Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

Passando quase despercebido na primeira fase da corrida eleitoral, o candidato virou alvo de uma série de denúncias por seus opositores por meio de publicações em blogs da capital.

Dentre as irregularidades apresentadas, destacam-se as contratações do pai do candidato, o ex-deputado Carlos Braide, por quase 5 anos, na Assembleia Legislativa; a contratação, como chefe de gabinete de Eduardo Braide, de Fabiano Bezerra, envolvido com um esquema de corrupção no município de Anajatuba; além da contratação pela Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) da empresa CBM, em duas ocasiões, com ausência de licitação, nos dois casos, com valores de R$ 2.383.640,18 (dois milhões, trezentos e oitenta e três mil, seiscentos e quarenta e oito reais e dezoito centavos.

Buscando compreender as supostas irregularidades, O Imparcial destrinchou cada uma das acusações a seguir.

Nepotismo

O pai do deputado estadual Eduardo Braide, Antônio Carlos Braide, foi nomeado para cargo em comissão, símbolo DAS-1, de assistente técnico-legislativo, do quadro de pessoal da casa legislativa a partir de 1º de agosto daquele ano.

A exoneração do ex-deputado ocorreu em janeiro deste ano, a pedido do próprio Carlos Braide, e publicada em uma edição extraordinária do Diário Oficial da Assembleia Legislativa do Maranhão.

Divulgada amplamente por diversos blogs da capital, a exoneração teria o objetivo de retirar o nome do ex-deputado da lista de funcionários da casa legislativa, enviada à justiça após decisão proferida pelo judiciário obrigando a divulgação de todos os servidores da casa.

Nomeação de investigados pela Polícia Federal

Outra denúncia divulgada pelos portais noticiosos da capital maranhense diz respeito à contratação do empresário Fabiano de Carvalho Bezerra como chefe de gabinete de Eduardo Braide quando deputado estadual.

A Fabiano são atribuídas suspeitas de participação em esquema de “notas frias” para desvio de verbas em diversas prefeituras maranhenses, que foram investigadas na Operação Geist da Polícia Federal.

Realização de contratos sem licitação quando gestor da Caema

Durante sua gestão como presidente da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão, Eduardo Braide contratou a empresa CBM – Construções e Comércio Ltda para serviços de manutenção da rede e alegou situação emergencial para justificar a dispensa de licitação. A empresa firmou dois contratos em 6 meses, cada um no valor de R$ 2.383.60, totalizando quase R$ 5 milhões de reais.

Além do fato em si, chama atenção a retroatividade do contrato, que assinado no dia 15 de julho, estabelecia validade a partir de 25 de maio, algo que pode ser interpretado como em descompasso ao princípio da legalidade na administração pública.

Eduardo Braide rebate

Em nota, o candidato afirma que não havia vínculos entre seu gabinete na Assembleia Legislativa do Maranhão e a contratação de seu pai pela casa legislativa.

Sobre a nomeação de Fabiano Bezerra, investigado pela polícia federal em um esquema de desvio de recursos em prefeituras do interior maranhense, a nota informa que “não há qualquer vínculo do candidato Eduardo Braide com a investigação em questão, uma vez que a pessoa citada foi exonerada do cargo que ocupou um ano antes de qualquer procedimento sobre o referido caso”.

Em relação aos contratos firmados quando Braide era dirigente da estatal, o candidato afirmou que todos foram homologados pela Comissão central de licitação, estando, portanto, em acordo com o estabelecido na legislação.

Por fim, o candidato afirma “lamentar que fatos estejam distorcidos com finalidade claramente política”, e que é ficha limpa, algo comprovado pela publicação, em suas redes sociais, de certidões negativas de processos ou condenações.