Pré-candidatos a prefeito em São Luís ainda não definiram nomes para cargo de vice

As vagas dependem ainda de muita articulação política e alguns nomes podem ser definidos nas últimas horas do fim do prazo para a realização das convenções que vão até o dia 16 de setembro.

Faltando pouco mais de 50 dias para o início das convenções partidárias, os pré-candidatos a prefeito em São Luís ainda não definiram nomes para o cargo de vice-prefeito.

As vagas dependem ainda de muita articulação política e alguns nomes podem ser definidos nas últimas horas do fim do prazo para a realização das convenções que vão até o dia 16 de setembro.

Alguns pré-candidatos já conversam com legendas para que seja oficializado nomes para a composição da chapa majoritária, como são os caso do pré-candidato Neto Evangelista (DEM), que articula com o PDT um nome e de Rubens Júnior (PCdoB) que negocia com o Progresistas.

Eduardo Braide (Podemos), Duarte Júnior (Republicanos) e Bira do Pindaré (PSB) negociam com algumas legendas a indicação dos nomes.

Outros nomes como Jeisael Marx (Rede Sustentabilidade); Adriano Sarney (PV) e Dr. Yglésio (PROS), podem ir para a disputa com chapas “puro sangue”.

Madeira segue recebendo declarações de apoio na disputa pela Prefeitura de São Luís

Carlos Madeira segue ganhando declarações de apoio de várias personalidades da política e vai reforçando sua pré-campanha na disputa pela Prefeitura de São Luís.

O ex-juiz e agora pré-candidato a prefeito, Carlos Madeira (Solidariedade), segue ganhando declarações de apoio de várias personalidades da política e vai reforçando sua pré-campanha na disputa pela Prefeitura de São Luís.

Nas últimas semanas, Madeira já tinha recebido a declaração de apoio oficial da deputada estadual Dra. Helena Duailibi e do vereador Afonso Manoel, além do secretário de Estado da Segurança, Jefferson Portela.

Agora, Madeira adere ao seu projeto, e conta com os apoios do secretário de Estado da Cultura, Anderson Lindoso e de Marlon Reis, auto da Lei da Ficha Limpa.

Todos os apoios refletem em bases distintas, o que pode significar um possível crescimento de Carlos Madeira nas pesquisas de intenções de voto.

Veja: Flávio Dino quer colocar a esquerda para conversar

O governador maranhense enxerga que seu papel, no momento, é o de tentar colocar todo mundo para conversar e deixar “a agenda do passado” para trás

Veja

Governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) assumiu de vez a missão de construir pontes na esquerda brasileira. Nas últimas semanas iniciou uma maratona de conversas com personagens críticos ao governo Bolsonaro – e fez lives com Lula e Ciro Gomes, a convite do PDT.

Como articulador, Dino avalia que a resistência do ex-presidente em se unir a uma “frente ampla” pró-democracia é momentânea.

“Eu acredito que agora ele está preocupado em reafirmar o PT no cenário político. É uma fase. O Lula entende que o petismo foi muito atacado. Mas vejo que ele estaria disposto, sim, à união”, disse ao Radar.

O governador maranhense enxerga que seu papel, no momento, é o de tentar colocar todo mundo para conversar e deixar “a agenda do passado” para trás.

“O ‘novo normal’ da política é que a gente precisa abandonar o passado e pensar no futuro, renunciar às divergências, que são pequenas. A gente que é do mesmo campo político sabe qual é a nossa agenda”, afirma.