Mau tempo! Passageiros de voo São Luís/Fortaleza passam susto durante viagem tensa…

Passageiros do voo Latam 4716, trecho São Luís/Fortaleza, passaram um grande susto, sufoco, na tarde/noite de quinta-feira (17). A aeronave saiu do aeroporto Cunha Machado com destino ao Pinto Martins às 17:19h, com hora prevista de chegada para as 18:15h, mas um mau tempo impediu o pouso no momento marcado, levando o piloto a fazer diversas manobras na área da capital cearense, o que causou aos clientes tensão, medo, pânico, desespero…

O piloto avisou que o pouso não estava autorizado por conta de uma forte chuva que acontecia com relâmpagos e trovões, provocando turbulências. Tripulação pediu para que os passageiros apertassem os cintos, silenciando em seguida.

Apreensivos, os clientes da Latam viam apenas a aeronave dando diversas voltas em torno do aeroporto em meio a turbulências, durante mais ou menos 35 minutos. Tempo em que ninguém tinha notícias de nada.

O piloto só conseguiu pousar às 19h no aeroporto Pinto Martins, ainda com chuva, quando passageiros apreensivos respiraram aliviados após o grande susto.

Entre os maranhenses a bordo estavam as jornalistas Sílvia Tereza (esta editora), Jackeline Helluy e Glaucione Pedrozo, todas servidoras do Complexo de Comunicação da Assembleia Legislativa. Após o pouso, o piloto recebeu uma merecida salva de palmas.

Moradores dos arredores do aeroporto Pinto Martins também ficaram apreensivos ao verem a aeronave fazendo diversas manobas, durante este tempo, e relataram o fato a amigos.

Confesso que, de tão nervosa, não tive reação para filmar o momento do pouso, dentro da aeronave, com a devida homenagem aos esforços do piloto que fez de tudo para guardar nossas vidas.

Jackeline Helluy chegou a relatar o fato em sua página pessoal no Facebook.

“Uma hora sobrevoando a cidade de Fortaleza sem poder pousar devido ao forte temporal. Relâmpagos, muita turbulência e a horrível sensação de que a aeronave ia partir-se ao meio. Aqueles minutos de pânico em que tudo que é importante na vida passa pela cabeça.

Passado o perigo, aplausos dos passageiros ao habilidoso piloto e uma certeza: melhor mesmo é manter sempre os pés no chão”, disse a jornalista.

Assaltantes disfarçados de funcionários assaltam Supermercado Mateus

Dois elementos disfarçados de funcionários assaltam Supermercado Mateus no bairro da Cohama

Dois elementos disfarçados de funcionários assaltaram, na manhã desta sexta-feira (18), o Supermercado Mateus no bairro da Cohama.

De acordo com informações prelimiranes de funcionários e clientes, os assaltantes entraram no setor administrativo do supermercado e roubaram uma quantia em torno de R$ 200 mil.

A Polícia Civil já foi chamada para investigar como os assaltantes adentraram no setor administrativo do supermercado. A Polícia Militar também já foi acionada pra iniciar as buscas pelos os assaltantes.

O Supermercado Mateus ainda não se pronunciou oficialmente sobre o assalto.

Thiago Bardal tem prisão revogada pela Justiça

Tiago Bardal teve prisão convertida em domiciliar, com monitoramento via tornozeleira eletrônica

O delegado de Polícia Civil, Thiago Bardal, preso desde o mês março de 2018, acusado de participar do esquema de contrabando de bebidas e cigarros, teve sua prisão revogada pelo desembargador, Josemar Lopes Santos, do Tribunal de Justiça do Maranhão. Mesmo com a decisão, ele continua afastado do quadro da Polícia Civil do Maranhão.

Na decisão desta quinta-feira (17), o desembargador diz ao juiz da 3ª Vara Criminal de São Luís, que a prisão do delegado pode ser convertida em domiciliar, com monitoramento via tornozeleira eletrônica.

Esta decisão é referente ao crime de contrabando no município de Viana. No caso de contrabando internacional, a Justiça Federal revogou, no fim de abril, a prisão dos oito acusados mediante fiança de valores diferentes. O delegado Bardal teve fiança fixada em R$ 30 mil.

Thiago Bardal, policiais militares e outras cinco pessoas foram presos na manhã do dia 22 de fevereiro no Arraial, no Quebra Pote, zona rural de São Luís, com armas, bebidas alcoólicas e cigarros contrabandeados.

A operação foi realizada pela Polícia Militar, na estrada para o Quebra Pote, onde Thiago Bardal foi encontrado próximo da região em um carro com Ricardo Jefferson Muniz Belo, que seria o seu advogado.

Segundo o secretário de estado da segurança pública, Jefferson Portella, o superintendente afirmou que estava vindo de uma festa, mas depois mudou a versão falando que procurava um sítio para compra.

Jefferson Portela também informou que, após a abordagem ao delegado, policiais seguiram até um porto clandestino, localizado em um sítio da região do Quebra Pote. Por lá eles também encontraram um veículo com militares, que foram abordados e presos.

Na tarde do dia 22 de fevereiro, Thiago Bardal foi exonerado do cargo na Superintendência de Investigações Criminais (SEIC) e depois a SSP pediu sua prisão preventiva. No dia 26 de fevereiro, um sargento, um major e um soldado, que a polícia diz que participavam da quadrilha, também tiveram a prisão preventiva decretada, além de outras cinco pessoas que não integram a polícia.

No último dia 27 de fevereiro, o advogado Ricardo Jefferson Muniz Belo, que acompanhava Thiago, prestou depoimento à polícia. Durante seu interrogatório contou uma outra versão, diferente da que foi dita por Bardal. Segundo a Secretaria de Estado de Segurança (SSP-MA), o advogado tem ligação direta com o Rogério de Sousa Garcia, ex-vice-prefeito de São Mateus que é apontado como um dos chefes do esquema criminoso e está preso.

Corpo de Cafeteira é velado no plenário da Assembleia Legislativa…

Corpo deve sair da Assembleia antes das 9h para sepultamento

O corpo do ex-governador Epitácio Cafeteria chegou ao Plenário da Assembleia Legislativa por volta das 16h30 para ser velado, com honras de chefe de Estado, por deputados, amigos, familiares e autoridades. Comoção e homenagens marcaram o cortejo do corpo do aeroporto Marechal Hugo da Cunha Machado até a sede do Parlamento Estadual, onde permanecerá até amanhã (15). O sepultamento acontecerá no Cemitério do Gavião, na Madre Deus, às 9h.

Familiares, amigos e ex-auxiliares de Epitácio Cafeteira foram ao aeroporto. Um deles foi o deputado estadual e sobrinho do ex-senador, deputado Rogério Cafeteira (DEM), que, ao lado da viúva Isabel e da filha Janaína, acompanhou o translado, conduzido pelo Corpo de Bombeiros.

“O senador sempre esteve presente na minha vida e ficará marcado pela sua história de trabalho vitoriosa na política. Ele deixa um importante legado para o Maranhão. . Agradeço as mensagens de carinho e conforto de todos”, afirmou.

Entre os ex-auxiliares, estavam o ex-secretário de Comunicação da gestão do governo de Cafeteira, o jornalista Ademário Cavalcanti, acompanhado da filha, a promotora Lítia Cavalcanti. O jornalista fez questão de ir prestar a última homenagem ao amigo.

No plenário da Assembleia, o padre Eduardo Carneiro Barbosa conduziu a celebração das santas exéquias. O velório estará aberto a todos que quiserem prestar as últimas homenagens ao ex-governador.

Classe política lamenta morte do ex-governador Epitácio Cafeteira nas redes sociais…

Políticos de diversos partidos se solidarizaram com a família do ex-governador e ex-senador, Epitácio Cafeteira, que faleceu neste domingo (13), em Brasília, aos 93 anos.

O governador Flávio Dino (PCdoB) usou suas redes para homenagear e se solidarizar com a família do ex-governador. Em sua mensagem, ele informou que decretou luto oficial de sete dias e as devidas honras ao ex-governador.

Em nota oficial, o governo do Estado expressou que, nesse momento de dor e perda, o Governo do Maranhão se solidariza com familiares, amigos e admiradores do ex-governador Epitácio Cafeteira, manifestando irrestrita solidariedade e desejos de consolo e conforto espiritual.

O vice-governador, Carlos Brandão (PRB), prestou seus sentimentos à família do ex-governador Cafeteira pela dor de sua perda.

O presidente estadual do PCdoB, Márcio Jerry, em nome do amigo e companheiro, Rogério Cafeteira, sobrinho do ex-governador, prestou seus pêsames a toda a família.

O deputado federal, Weverton Rocha (PDT), escreveu em suas redes que “Cafeteira era um político experiente e que deixa sua marca na história do Maranhão”.

Eliziane Gama (PPS) prestou seus sentimentos a toda a família e lembrou da trajetória política de Cafeteira que foi prefeito de São Luís, deputado federal e senador da República.

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) também se manifestou sobre a morte de Cafeteira e o classificou como uma grande liderança popular do nosso Estado, onde ocupou um lugar de destaque na política maranhense.

Morre Epitácio Cafeteira; Velório acontecerá na Assembleia

Epitácio Cafeteria enfrentava problemas de saúde

O ex-senador Epitácio Cafeteira faleceu, neste domingo (13), em Brasília, aos 93 anos. Ele exerceu os cargos de governador, senador, deputado federal e prefeito de São Luís. A morte dele comoveu populares e a classe política do Maranhão.

A Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão informou, em nota, que o corpo do ex-governador Epitácio Cafeteira será velado em São Luís, na sede do Poder Legislativo Estadua, no Cohafuma.

O horário da cerimônia ainda será confirmado pela família.

Em razão do falecimento do ex-governador Epitácio Cafeteira, o presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), decretou luto oficial de três dia no parlamento estadual.

Em nota, presidente da Assembleia lamentou morte de Cafeteira

É com grande pesar que a Assembleia Legislativa do Maranhão recebeu a notícia da morte do ex-senador Epitácio Cafeteira, tio do deputado estadual Rogério Cafeteira. Ele tinha 93 anos, residia em Brasília, e estava em uma UTI residencial, devido a seu delicado estado de saúde.

Epitácio Cafeteira era natural da Paraíba, mas veio ainda pequeno para o Maranhão e se destacou na política, ocupando todos os cargos que um político pode desempenhar em seu estado.

Deixou seu legado na história do Maranhão, tendo exercido os cargos de governador, senador, deputado federal e prefeito da capital São Luís.

Aqui constituiu família. Deixa viúva a senhora Isabel Cafeteira; a filha Janaína Cafeteira Afonso Pereira e os netos Epitácio Cafeteira Neto e Afrânio Cafeteira Nava.

Neste momento de dor, a Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão se solidariza com o deputado Rogério Cafeteira, com toda a família, amigos e admiradores do ex-senador Epitácio Cafeteira, rogando a Deus que conforte a todos.

Pela inestimável perda e toda a trajetória do ex-senador Epitácio Cafeteira, decreto luto oficial de três dias, a contar de hoje.

São Luís, 13 de maio de 2018

Deputado Othelino Neto
Presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão

Analistas da Receita Federal cruzam os braços na próxima semana…

Auditores devem fazer greve em todo o país

Dos dias 15 a 17 de maio, cerca de 7 mil Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (RFB) estarão de braços cruzados em greve nacional. O movimento paredista reivindica o cumprimento integral do acordo salarial da categoria, assinado há mais de dois anos, por meio da regulamentação, via decreto do Poder Executivo, do Bônus de Eficiência e Produtividade da Carreira Tributária e Aduaneira da RFB. Mesmo aprovada em lei em 2017, a gratificação amparada no cumprimento de metas de eficiência institucional da Receita Federal ainda não foi regulamentada pelo governo. Entre os dias 15 e 17 de maio, os Analistas-Tributários também realizarão assembleias em todo o país para deliberar sobre a ampliação dos dias da greve nas próximas semanas.

O presidente do Sindireceita, Geraldo Seixas, esclarece que a greve dos Analistas-Tributários tem sido acirrada a cada semana, diante da demora do governo em cumprir o acordo salarial dos servidores. “Esgotamos todas as vias de diálogo junto ao governo, e a greve é a nossa única alternativa para exigir respeito aos direitos da categoria. O acordo salarial da Carreira Tributária e Aduaneira é discutido exaustivamente há mais de três anos e já foi aprovado em lei, no ano passado. Dependemos apenas da emissão do decreto e a morosidade do governo é injustificável”, explica Seixas.

O Bônus de Eficiência e Produtividade da Carreira Tributária e Aduaneira da Receita Federal foi amplamente debatido no Congresso Nacional e junto aos ministérios da Fazenda e Planejamento. A gratificação foi aprovada na Lei nº 13.464, de 10 de julho de 2017 e, desde então, os Analistas-Tributários aguardam a sua regulamentação.

Segundo Geraldo Seixas, a postura do governo federal tem causado prejuízos não somente à Receita Federal, mas aos contribuintes e ao País. “A Receita Federal é um órgão de extrema importância para o Brasil e, especialmente, para o enfrentamento ao atual cenário de crise econômica que vivemos. Desejamos que o acordo seja cumprido em sua integralidade, para que o órgão possa retornar à sua normalidade e contribuir ainda mais para a saída desta grave crise. O nosso movimento não prejudicará a atuação em ações fundamentais para o País, como a Operação Lava-Jato. A greve é um direito legítimo dos trabalhadores e seguiremos aguerridos em nosso movimento até que o governo cumpra a sua palavra”, afirma o líder sindical.

Nos dias 15, 16 e 17 de maio, diversos serviços e atividades ficarão suspensos nas unidades da Receita Federal em todo o Brasil, entre eles: atendimento aos contribuintes; emissão de certidões negativas e de regularidade; restituição e compensação; inscrições e alterações cadastrais; regularização de débitos e pendências; orientação aos contribuintes; parcelamento de débitos; revisões de declarações; análise de processos de cobrança; atendimentos a demandas e respostas a ofícios de outros órgãos, entre outras atividades. Já nas unidades aduaneiras, os Analistas-Tributários não atuarão na Zona Primária (portos, aeroportos e postos de fronteira), nos serviços das alfândegas e inspetorias, como despachos de exportação, verificação de mercadorias, trânsito aduaneiro, embarque de suprimentos, operações especiais de vigilância e repressão, verificação física de bagagens, entre outros.

Instituto com histórico de erros tenta emplacar pesquisa para cenário eleitoral no Maranhão…

Histórico de erros de instituto merece atenção

A empresa MBO Marketing, Publicidade e Pesquisa vai tentar emplacar, na próxima segunda-feira (14), uma pesquisa que chegou a ser cancelada após denúncias, mas que foi novamente registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com estranhas alterações. Mesmo antes de ter sido divulgado, o levantamento sobre as eleições gerais no Maranhão apresenta vários vícios.

A súbita mudança no número de entrevistados é um dos fortes indícios que sugerem que o “estudo” é suspeito. Apesar de a pesquisa ter sido realizada entre os dias 26 de março e 04 de maio de 2018, inicialmente, o MBO registrou que havia entrevistado apenas 10.993 pessoas. Com o novo registro, o número de entrevistados subiu vertiginosamente para a marca de 109.730.

Pesa ainda contra a pesquisa – que propõe projetar cenário eleitoral no Maranhão sobre as disputas para presidente, senador, governador, deputado federal e estadual – o fato de não ter incluído, em seu universo de coleta, grandes e colégios eleitorais do Estado, como São Luís e Imperatriz.

Sucessão de erros

Para piorar, a MBO Publicidade e Marketing tem um histórico de pesquisas suspeitas nas costas. Em 2016, amostragem da MBO apontava vitória nas eleições do município de Timbiras do candidato que terminou em terceiro lugar.

No mesmo ano, o instituto também errou ao indicar a vitória d o ex-prefeito Biné Figueiredo em Codó, mas o candidato acabou perdendo as eleições para o atual prefeito da cidade, Francisco Nagib.

Lewandowski mantém censura a jornal no caso da Operação Boi Barrica

O Estado de São Paulo

Ministro do STF Ricardo Lewandowski. Foto: André Dusek/Estadão

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou, nesta quarta-feira (09), um recurso de O Estado de São Paulo contra decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), que impede o jornal de publicar informações no âmbito da Operação Boi Barrica envolvendo o empresário Fernando Sarney, filho do ex-presidente José Sarney (MDB-MA).

Lewandowski não chegou a apreciar o mérito do processo. Segundo o ministro, o instrumento legal usado na apelação (o recurso extraordinário) não é válido em casos de medidas cautelares como as liminares. Ele determinou que o processo seja encaminhado à 12.ª Vara Cível de Brasília para que julgue o mérito da ação “como bem entender”. O jornal completa hoje 3.145 dias sob censura por causa da decisão judicial do TJDFT.

A defesa vai avaliar se cabe recurso. “O que eu lamento é que a decisão aconteça 3 mil dias depois da censura e que o ministro Lewandowski só tenha descoberto isso todo este tempo depois de estar com o processo”, disse o advogado do Grupo Estado Manuel Alceu Affonso Ferreira. “Agora vamos ver se há recurso contra essa decisão dele e qual seria o recurso”, completou.

PARA LEMBRAR: Operação viu nepotismo

Sob a relatoria de Lewandowski desde setembro de 2016, o recurso extraordinário número 840.718 tramita em segredo de Justiça no STF. O caso chegou ao Tribunal em setembro de 2014.

A censura ao Estado diz respeito à publicação de gravações no âmbito da Operação Boi Barrica que sugerem ligações do então presidente do Senado, José Sarney, com a contratação de parentes e afilhados políticos por meio de atos secretos.

Na época, advogados do empresário Fernando Sarney alegaram que o jornal feria a honra da família ao publicar trechos de conversas telefônicas gravadas na operação com autorização judicial.

O diretor executivo da Associação Nacional de Jornais (ANJ), Ricardo Pedreira, lamentou a decisão do ministro. “É lamentável que a censura contra o Estadão perdure quando a Constituição brasileira é tão clara no sentido de que não é possível impedir previamente a livre informação. Chega a ser surreal acompanharmos todos estes anos um jornal permanecer censurado, apesar da Constituição, e essa demora infinita da Justiça para tomar uma decisão final sobre o mérito”, disse.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) considerou a decisão inaceitável. “Este é um caso exemplar de desrespeito ao princípio constitucional que assegura a liberdade de imprensa. É lamentável que, após todos esses anos, o Supremo não tenha agido para deixar claro às demais instâncias que censura judicial é algo inadmissível”, disse o presidente da entidade, Daniel Bramatti.

Em 2017 a Procuradoria-Geral da República deu parecer favorável ao jornal. Procurado ontem à noite, o órgão informou que ainda não tinha conhecimento da decisão e que não se manifestaria sobre o assunto.

DECISÃO DO TJ-DF PROÍBE NOTÍCIAS HÁ 3.145 DIAS

O recurso do Estado contra a decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, que impede o jornal de publicar informações no âmbito da Operação Boi Barrica envolvendo o empresário Fernando Sarney – filho do ex-presidente José Sarney (MDB) –, tramitava no Supremo Tribunal Federal (STF) havia mais de três anos e meio.

O recurso extraordinário estava sob a relatoria do ministro Ricardo Lewandowski desde setembro de 2016. O caso havia chegado ao Supremo dois anos antes – em 30 de setembro de 2014. Neste período, houve troca de relatoria e parecer favorável da Procuradoria-Geral da República.

Logo que o recurso foi protocolado na Corte, coube à ministra Cármen Lúcia a relatoria. Quando ela assumiu a presidência do Supremo, no início de setembro de 2016, o processo foi para as mãos de Lewandowski.

Em outubro de 2015, o Estado pediu à Cármen Lúcia que o recurso fosse levado a julgamento, considerando a urgência da matéria em questão e o fato de o jornal estar submetido à censura prévia.

Desde então, houve apenas a manifestação da PGR, em setembro de 2017. A Procuradoria encaminhou à Corte um parecer favorável ao provimento do recurso extraordinário do jornal. Na manifestação, a PGR destacava entendimento do próprio STF no julgamento de uma outra ação em que a Corte definiu que “antes de tudo prevalecem as relações de imprensa como superiores bens jurídicos e natural forma de controle social sobre o poder do Estado”.

Estado foi proibido em 31 de julho de 2009 de publicar reportagens com informações sobre a Operação Boi Barrica. O pedido de Fernando Sarney chegou ao Tribunal do DF no fim de uma quinta-feira. Na sexta-feira pela manhã, o desembargador Dácio Vieira já havia decidido pela proibição.

Em dezembro de 2009, Fernando Sarney desistiu da ação, mas o Estado não aceitou. O jornal manifestou sua preferência pelo julgamento do mérito no STF para criar jurisprudência sobre o caso para toda a imprensa do País.