Aldenora Belo recebe reforço da Famem para o combate e prevenção do câncer no estado

O objetivo é capacitar profissionais da saúde nos municípios para que seja realizado a detecção e prevenção do câncer por meio de diagnóstico precoce

O presidente da FAMEM, Erlanio Xavier, e o deputado federal Hildo Rocha (MDB) dentro dos próximos dias irão iniciar as tratativas com o Hospital Aldenora Belo para capacitar profissionais da saúde nos municípios com objetivo de realizar a detecção e prevenção do câncer por meio de diagnóstico precoce. A ideia foi exposta pelo deputado Hildo Rocha ao presidente da Federação nesta sexta-feira (15), na sede da entidade, durante visita institucional do parlamentar ao prefeito dirigente da entidade para estreitamente de relações.

Segundo a proposta do parlamentar, coordenador temporário da bancada, a qualificação seria feita pelo Aldenora Belo em programações regionais, otimizando recursos e resultados.  Os recursos utilizados no custeio da qualificação de pessoal, agentes comunitários de saúde, seriam provenientes de emendas parlamentares da bancada estadual.

Por sugestão do deputado Hildo Rocha, os recursos devem ser destinados diretamente para o Hospital Aldenora Belo. Ele tomou como referência a experiência do Hospital de Barretos (São Paulo) que tem procedido com a estratégica com grande êxito na atenção básica de saúde, de escopo do município. As definições jurídicas sobre um convênio de cooperação técnica serão ainda discutidas entre a entidade representativa dos prefeitos maranhenses e a unidade de saúde referência no tratamento de câncer no estado, com intermediação do parlamentar.

“Será um grande benefício para os municípios. A FAMEM se compromete em mobilizar seus integrantes para que o treinamento do pessoal aconteça de forma estratégica, reduzindo custos e obtendo mais resultado. Para isso contamos com a colaboração de toda a bancada maranhense”, declarou Erlanio Xavier. O presidente da federação disse que vai verificar os meios jurídicos que garantam a parceria.

Na fase preliminar do projeto, o presidente da FAMEM, Erlanio Xavier, contará com a colaboração do Instituto Ovídio Machado, que na reunião foi presentado pelo ex-vereador de São Luís e profissional da Saúde, Fábio Câmara.  O instituto deverá proceder com levantamento das incidência e capacidade instalada de cada um dos municípios do Maranhão para estabelecer prioridades na capacitação e atendimento. Inicialmente o foco seria concentrado no público infantil.  Por outro lado, a FAMEM deve realizar o levantamento do custo das capacitações das equipes.

Hildo Rocha destacou a qualidade da equipe do Aldenora Belo, formada atualmente por 137 médicos. “Precisamos fazer um trabalho integrado no combate ao câncer e por meio da FAMEM vamos buscar uma forma de alinhar os recursos para capacitar técnicos para fazer diagnóstico precoce e prevenção na Saúde Básica”, ressaltou o deputado.

O presidente Erlanio Xavier recebeu o parlamentar acompanhado dos prefeitos Sidrack (Morros), André Dourado (Carutapera), o vereador de Amarante, Sebastião das Alvoradas; o vice-prefeito de Cândido Mendes, Jofran Braga, o secretário executivo da FAMEM, Fonsequinha, e do coordenador jurídico, Guilherme Mendonça.

Municipalismo

Erlanio Xavier e o deputado Hildo Rocha aproveitaram a ocasião para trocar impressões sobre a conjuntura nacional e as propostas legislativas mais evidentes, como Reforma da Previdência, e o fortalecimento do municipalismo.  “Nós agradecemos a visita do deputado Hildo Rocha, um municipalista reconhecido e atuante.  Temos a satisfação de termos um parceiro que tem um histórico de luta pelos municípios”, afirmou o presidente 

Parte do prédio da SES desaba em São Luís

O prédio fica na Avenida Professor Carlos Cunha, ao lado da OAB, no bairro Jaracaty

Parte do prédio da Secretaria de Estado da Saúde (SES) desabou na tarde desta sexta-feira (15), em São Luís.

O prédio fica na Avenida Professor Carlos Cunha, ao lado da OAB, no bairro Jaracaty.

De acordo com informações preliminares, os funcionários estavam em horário normal de expediente quando escutaram um grande barulho e todos saíram correndo. Os destroços atingiram pelo menos um carro, até o momento não se tem informações de feridos.

Clayton Noleto e Carlos Lula vistoriam área do novo Socorrão de Imperatriz

A área fica na Avenida Pedro Neiva de Santana, ao lado do Hospital Macrorregional, e foi declarada de utilidade pública na última quarta-feira pelo governador Flávio Dino

Na tarde da última sexta-feira (8), o secretário de Estado de Infraestrutura, Clayton Noleto, e o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, visitaram a área de 130 mil m² onde serão construídos o novo Socorrão de Imperatriz, já chamado pela população de Socorrão

II, e o Centro de Ciências da Saúde da UemaSul.

A área fica na Avenida Pedro Neiva de Santana, ao lado do Hospital Macrorregional, e foi declarada de utilidade pública na última quarta-feira pelo governador Flávio Dino, quando assinou o decreto de desapropriação. A visita dos dois secretários e da equipe técnica, que vai fazer a adequação do projeto às condições do solo, foi acompanhada de lideranças políticas de Imperatriz e cidades vizinhas, que também serão beneficiadas com a nova estrutura.

“Eles vão verificar topografia e logo após licitar a construção do hospital. Essa parte de adequação do projeto acreditamos que vamos fazer em 90 dias e depois vem o período de licitação. Mas nosso objetivo é iniciar essa obra ainda este ano para Imperatriz e Região Tocantina receber este equipamento necessário para melhorar a qualidade de vida da população”, declarou o secretário de Estado de Infraestrutura, Clayton Noleto.

Para o Socorrão, que será administrado pelo governo do estado, será destacada uma área de 62 mil m², sendo 35 mil m² para a construção do prédio que vai abrigar 100 leitos de UTI e 300 enfermarias. “Com essa totalidade vamos conseguir suprir a demanda da região.

O investimento aproximado é de 150 milhões de reais”, disse o secretário sobre o custo da execução da obra.

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, afirmou que com o novo Socorrão a cidade vai passar a ter a maior estrutura em termos de saúde. “Imperatriz passará a ter o maior hospital de interior do Nordeste com o custeio mensal de R$ 15 milhões a R$ 20 milhões, se falando em custo para funcionamento. Já iniciamos o de São Luís e vamos iniciar aqui em Imperatriz. Além da Saúde, melhora a economia, pois teremos cerca de 1000 empregos diretos neste hospital 24 horas”, afirmou.

Clayton Noleto também destacou a construção do Centro de Ciências da Saúde da UemaSul, área ao lado do novo Socorrão. A reitora da universidade, Elizabeth Nunes, considera o projeto arrojado. “É uma inovação, pois a UemaSul não tem curso na área da saúde e vendo que o curso de Medicina é o primeiro a ser montado, vai trazer mão de obra, pois teremos formação de recursos humanos para a região. E precisamos melhorar as estatísticas da saúde em nosso estado”, destacou. Os dois secretários encerraram a agenda com visita ao Hospital Macrorregional.

No Dia da Mulher, Maranhão cria oportunidades de capacitação e emprego para vítimas de violência doméstica

governador Flávio Dino e equipe de secretários assinaram termos de parceria e decretos que ampliam e criam novas oportunidades para a população feminina

O Dia da Mulher foi celebrado com novas conquistas e políticas públicas para as mulheres maranhenses. Nesta sexta-feira (8), em solenidade realizada na Casa da Mulher Brasileira, em São Luís, o governador Flávio Dino e equipe de secretários assinaram termos de parceria e decretos que ampliam e criam novas oportunidades para a população feminina. Uma delas foi a oferta de cursos de capacitação e empregos para mulheres vítimas de violência doméstica.

“Hoje muitos atos importantes serão assinados. Todos os anos fazemos questão de aqui nesse espaço, a Casa da Mulher Brasileira, mostrar uma atitude concreta de apoio a iniciativas de várias áreas de governo”, disse o governador Flávio Dino.

Entre as ações implementadas, estão a ampliação da Patrulha Maria da Penha, que na capital agora será realizada em parceria com a Prefeitura de São Luís; a parceria entre a Secretaria da Mulher (SEMU) e a Caema que vai oferecer 10% das vagas do curso de capacitação e vagas de empregos para mulheres vítimas de violência doméstica; lançamento de edital para ofertar vagas de capacitação para mulheres vítimas de violência por meio do IEMA; do termo de compromisso para realização de campanhas de valorização da Mulher, além do anúncio do aplicativo Salve Maria.

“É uma programação extensiva que reúne aqui ações integradas do único governo do país que no cenário atual continua desenvolvendo e ampliando ações, políticas públicas para as mulheres e que tem muitas metas, como a criação da Casa da Mulher Maranhense, que em breve criaremos”, destacou a secretária da Mulher, Ana Mendonça.

Susan Lucena, diretora da Casa da Mulher Brasileira, destacou a rede de apoio e as ações integradas oferecidas para as maranhenses. “Essa é uma das cinco casas que funcionam no Brasil e aqui, atualmente, realizamos mais de 2 mil atendimentos por mês. Temos aqui a Vara da Mulher, Promotoria, Delegacia, e, neste dia, que marca um dia de lutas, temos no Maranhão o anúncio de muitas outras ferramentas”, afirmou a diretora.

Na solenidade, também foi anunciado o aplicativo Salve Maria, ferramenta digital que permitirá a mulheres acionar a polícia diretamente do celular em casos de ameaça ou perigo iminente.

O governador Flávio Dino também recebeu secretárias de Estado e presidentes de autarquias no Palácio dos Leões, nesta sexta-feira (8). “Mulheres que são líderes no nosso governo: secretárias de Estado e presidentas de autarquias. Dirigem importantes políticas públicas em várias áreas e têm meu respeito pelas profissionais que são. Ainda faltaram 2 secretárias de Estado que não puderam vir hoje à nossa reunião”, disse Flávio.

Flávio Dino anuncia construção do novo Hospital de Imperatriz, secretários visitam cidade nesta sexta-feira (8)

Hospital ‘Socorrinho’ de Imperatriz pegou fogo na noite de sábado (2)

Os secretários de Estado de Infraestrutura, Clayton Noleto e de Saúde, Carlos Eduardo Lula estarão em Imperatriz, nesta sexta-feira (8), às 16h, para verificar as adequações necessárias do projeto para a construção do novo hospital de Imperatriz. A ideia é adaptar, conforme as necessidades, o projeto do hospital de São Luís. O terreno fica localizado ao lado do Hospital Macrorregional Drª Ruth Noleto, na Avenida Pedro Neiva de Santana, e dispõe de um espaço aproximado de 60 mil metros quadrados.

A estimativa é que até a metade do ano o processo licitatório esteja concluído e seja emitida a ordem de serviço para início da construção. O novo hospital terá 400 leitos com capacidade para atender urgência e emergência, melhorando o atendimento da saúde na cidade. Segundo o secretário de Estado de Infraestrutura, a ideia é que a construção aconteça por etapa, de forma que a população comece a usufruir da estrutura da unidade hospitalar o mais rápido possível.

“Um hospital é enorme e o tempo de duração prevista de construção é de cerca de três anos. Mas vamos trabalhar em etapas para tentar colocar em funcionamento pelo menos uma parte do hospital”, detalhou. Somando esse hospital a outros investimentos já realizados pelo Governo do Estado – como a entrega do Macrorregional e a Casa da Gestante – com a construção do Centro de Ciências da Saúde da Uemasul, cujo o projeto está em discussão, Imperatriz caminha para a consolidação como cidade polo referência no atendimento à saúde.

Governo inicia construção do Hospital da Ilha em São Luís

No momento, os colaboradores executam terraplanagem e fundações

O Governo do Maranhão, por meio das secretarias de Estado da Infraestrutura (Sinfra) e Saúde (Ses), deu início à construção do Hospital da Ilha, em São Luís. Além da capital, o prédio hospitalar atenderá as cidades de São José de Ribamar e Paço do Lumiar.

A obra está orçada em R$ 132.049.108,88 e tem prazo de execução de 32 meses. No momento, os colaboradores executam terraplanagem e fundações. Durante visita à obra, na última quinta-feira (31), o governador Flávio Dino detalhou como o novo hospital vai ajudar a desafogar o atendimento nas três cidades que compõem a Grande Ilha.

“É a solução definitiva do problema de urgência e emergência na ilha de São Luís. Um novo Socorrão, como dizemos na ilha. Com isso teremos uma atenção completa do Governo do Estado ao tema da saúde aqui. Já temos as upas e hospitais de complexidade, de modo que com esse avanço teremos uma saúde de qualidade”, destacou o governador Flávio Dino.

No momento, os colaboradores executam terraplanagem e fundações

O Hospital da Ilha tem 32.257,97 m². Na primeira etapa, serão entregues 212 leitos distribuídos em 6 blocos, incluindo emergência, UTI’s e Internação. O terreno possui ainda área reservada para expansão. No bloco de expansão, denominado Bloco H, estão previstos mais 3 pavimentos de internação do tipo enfermaria, totalizando um acréscimo de mais 180 leitos. Ao todo serão 392 leitos.

“Está sendo construído uma equipamento público de altíssima qualidade. Nesta primeira etapa entregaremos mais de duzentos leitos e ao final teremos cerca de 400 leitos, fazendo com que o atendimento chegue em todos os moradores da Grande Ilha”, reiterou o secretário de Estado da Infraestrutura (Sinfra), Clayton Noleto.

O secretário de Estado da Saúde (SES), Carlos Lula, destacou a importância do hospital para o atendimento de urgência e emergência. “Mais uma obra fruto da parceria Sinfra e SES. Todos dando as mãos para entregar esse hospital que é maior que o Socorrão I e II. Teremos capacidades de dobrar o atendimento de urgência e emergência seja trauma, seja AVC, seja atentado de arma de fogo”, explicou o secretário Carlos Lula.

Em 4 anos de gestão, o Governo do Maranhão contabiliza investimento de mais de R$ 2 bilhões em as obras nas áreas da saúde, educação, segurança, mobilidade urbana, lazer, cultura, turismo e esporte. As intervenções realizadas trazem melhorias significativas aos milhões de moradores da Grande Ilha e aquecem o comércio, elevando a qualidade de vida e incentivando a geração de emprego e renda na região.

Carlos Lula participa de reunião com novo ministro da Saúde

Secretário Carlos Lula com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta. (Foto: Paula Boueri)

O secretário de Estado de Saúde e vice-presidente para a região Nordeste do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Carlos Lula, participou de uma reunião com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta , na manhã desta sexta-feira (25), em Brasília. A pauta consistia na apresentação dos 18 pontos prioritários da entidade representativa.

“A reunião marca o início do diálogo com o órgão federal. Existe uma pauta que estamos trabalhando com prioridade, como o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) e organização da atenção ambulatorial em rede com a atenção primária. São temas que têm impacto direto no nosso usuário e que qualificam a assistência à população. Precisamos estreitar a relação com o Ministério da Saúde”, destacou Carlos Lula.

Participaram, também, da reunião o presidente do Conass, Leonardo Vilela (SES/GO), o secretário executivo do Conass, Jurandi Frutuoso, representantes do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e secretários do Ministério da Saúde.

Para Jurandi Frutuoso, a reunião foi um encontro de aproximação para que o ministro tomasse conhecimento dos pontos essenciais para a entidade, principalmente neste momento, quando o SUS e os gestores enfrentam grandes desafios. “Foi uma oportunidade de colocarmos tudo o que pensamos e o que o país precisa para fortalecermos o SUS. Assim que se desenha o que vamos efetivar na prática. É um longo caminho a percorrer, porque temos problemas de financiamento grave, problemas de gestão que temos que enfrentar, de formação de recursos humanos e estratégias de avaliação. Precisamos ter foco”, avaliou.

Em 4 anos, Governo do Maranhão organiza rede de saúde e amplia atendimento no interior e na capital

HTO é um dos grandes hospitais entregues pelo gestão estadual e que mudou a vida dos maranhenses

O Governo do Maranhão melhorou o acesso, a efetividade e a eficiência dos serviços no SUS no Maranhão nos últimos quatro anos. Nesse período, a gestão estadual entregou à população maranhense dez hospitais e a Unidade de Especialidades Odontológicas do Maranhão (Sorrir). Além disso, implantou e melhorou outros serviços, como a hemodiálise nas regiões de Chapadinha e Pinheiro, a Unidade de Oncologia Pediátrica, em Imperatriz, e a UTI Pediátrica Cardiológica no Hospital Dr. Carlos Macieira, em São Luís.

Os investimentos e mudanças fazem parte do processo de reestruturação da rede estadual de saúde, que resulta, dentre outras coisas, na regionalização do atendimento e na ampliação da cobertura assistencial. “Corrigimos desigualdades regionais de acesso e promovemos a integração de serviços de saúde. Dessa forma, garantimos atendimento perto de casa, evitamos deslocamentos para a capital e ainda protegemos a vida”, analisa o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

De 2015 a 2018, foram inaugurados hospitais nos municípios de Pinheiro, Caxias, Imperatriz, Santa Inês, Bacabal, Balsas, Chapadinha e Colinas. Além destes, também foram entregues o Hospital do Servidor e o Hospital de Traumatologia e Ortopedia (HTO). Este último rapidamente tornou-se referência de atendimento, pois possibilitou assistência ágil aos traumatizados, inclusive de outros estados.

Na Rede de Atenção às Urgências, cuja finalidade é qualificar o acesso humanizado e integral aos usuários em situação de urgência e emergência nos serviços de saúde, de forma ágil e oportuna, os avanços incluíram a ampliação da oferta de atendimento com a implantação da UPA de Chapadinha; a entrega de 172 ambulâncias para os municípios e serviços próprios. Soma-se a isso a oferta de leitos de retaguarda e Unidades de Cuidados Intensivos nos hospitais Macrorregional Tomás Martins, em Santa Inês; Regional da Baixada Maranhense Dr. Jackson Lago, em Pinheiro; de Traumatologia e Ortopedia (HTO), em São Luís; Regional Dr. Everaldo Ferreira Aragão, em Caxias; Macrorregional Dra. Ruth Noleto, em Imperatriz; Geral de Chapadinha; e ampliação de 39 leitos no Hospital Dr. Carlos Macieira (HCM).

Hospital Macrorregional de Imperatriz realiza atendimento de alta e média complexidade

O Governo do Maranhão, através da Secretaria de Estado da Saúde (SES), também reformou e equipou os hospitais de Cajari, Turiaçu e Ribamar Fiquene, entregues para os respectivos municípios para gestão municipal.

A reestruturação da rede estadual de saúde também contemplou a rede materno-infantil, com a implantação de leitos de UTI Materna na Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão; a reinauguração da Maternidade Nossa Senhora da Penha, em São Luís; entrega do Hospital Regional de Balsas e da Maternidade Humberto Coutinho, em Colinas; reforma do Hospital Regional Materno-Infantil de Imperatriz e do Hospital Regional Adélia Matos da Fonseca, em Itapecuru-Mirim.

Foi inaugurada, ainda, a Casa da Gestante, Bebê e Puérpera (CGBP) Dra. Eimar de Andrade Mello, em Imperatriz. Ainda nessa área, foram implantados os Centros Sentinela de Planejamento Reprodutivo na Maternidade Benedito Leite, em São Luís; na Maternidade Humberto Coutinho, em Colinas; e no Hospital Regional de Balsas. Os Centros Sentinela ampliaram o acesso das mulheres a métodos contraceptivos, à informação e à educação para a sexualidade.

As pessoas com deficiência também tiveram ampliado e qualificado o atendimento nos últimos quatro anos. A implantação do Ambulatório de Referência em Neurodesenvolvimento, Assistência e Reabilitação de Crianças (Ninar), da Casa de Apoio Ninar, assim como os serviços de Reabilitação Visual, do Transtorno do Espectro Autista e emprego da Talassoterapia no Centro Especializado em Reabilitação e Promoção da Saúde do Olho d’Água (CER Olho d’Água). No interior do estado, o Centro de Especialidades Médicas (CEM) em Barra do Corda passou a oferecer consultas em fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional, expandindo para a região os serviços de reabilitação física.

Em artigo, Flávio Dino fala dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humano

Artigo do governador do Maranhão, Flávio Dino. Foto: Gilson Teixeira

No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou a Declaração Universal dos Direitos Humanos. O que fez mais de 100 nações do planeta sentarem-se na mesma sala para definir princípios básicos de convivência humana? Uma ameaça terrível.

Pouco mais de três anos antes, o mundo havia encerrado uma Guerra Mundial. Pela primeira vez, não só um povo ou nação, mas toda a humanidade teve sua existência ameaçada pela sede de poder de pessoas que se julgavam superiores a outras.

Superado o nazismo e o fascismo pela força de uma ampla aliança, indo dos capitalistas dos Estados Unidos aos socialistas soviéticos, as nações sentaram-se para definir regras mínimas de convívio que evitassem novos conflitos bárbaros.

A Declaração Universal de Direitos Humanos consolidava princípios antes já delineados em outros pontos-chave da história da humanidade, como a Declaração dos Direitos do Homem, surgida da Revolução Francesa, e a Declaração de Direitos, da Inglaterra do século 17.

A declaração reúne as chamadas três dimensões dos direitos. Sendo que a primeira são as liberdades de escolha, de voz, de voto, que tanto marcaram a luta contra as monarquias e mais recentemente contra as ditaduras militares.

Na segunda dimensão, estão os direitos que dependem de uma ação do Estado para garantir o bem estar do indivíduo, como Saúde e Educação. E na terceira dimensão estão os direitos difusos, a que toda a sociedade tem direito de usufruto, e não só cada indivíduo. É o caso do direito à comunicação ampla e plural, ao meio ambiente e à preservação do patrimônio cultural.

Como se vê, a Declaração Universal dos Direitos Humanos pensou em todos os âmbitos da vida, visando garantir o bem viver de todos. É triste que hoje existam algumas pessoas tentando desqualificar a necessidade de defesa dos direitos humanos. Uma situação bem ilustrativa do triste momento que estamos vivendo em vários países, com o retorno de governos de extrema-direita.

Lutar por direitos humanos constitui-se em tarefa cada vez mais atual, pois o horizonte da humanidade voltou a ser ameaçado por discursos de ódio que prometem a melhoria de vida de uns poucos, com a exclusão de muitos.

Tenho muita alegria de liderar um governo que, todos os dias, luta para que a Declaração Universal dos Direitos Humanos chegue aos lares de todos os maranhenses.

Artigo do governador do Maranhão, Flávio Dino.