Zona Rural de São Luís reduz homicídios pela metade em 2018

Enquanto em 2017 foram 85 homicídios na região, em 2018 o número caiu para 41

A presença da polícia e o aumento no número de abordagens a pedestres, veículos particulares e ônibus em 2018 já rendeu resultados positivos para os moradores da Zona Rural de São Luís.

Com ações desenvolvidas nos quase 50 bairros da região – como Maracanã, Quebra Pote e Rio Grande –, o trabalho de prevenção do sistema de segurança do Governo do Estado reduziu em 52% o número de homicídios em 2018 em relação a 2017.

“O número de homicídios caiu, assim como o de roubos a coletivos. Também estão circulando menos armas, o que se deve à estratégia adotada. Há uma queda acentuada em São Luís inteira, mas com o incremento no número de ações aqui na Zona Rural e o aumento da presença da Polícia, diminuiu a prática criminal”, explica o comandante do 21º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Harlan Silva do Nascimento.

Enquanto em 2017 foram 85 homicídios na região, em 2018 o número caiu para 41. As ocorrências de assaltos a ônibus também tiveram redução significativa. Foi registrada queda de 20% entre os dois anos. Já a quantidade de roubos de veículos teve redução de 49%.

As operações, realizadas o ano todo, recentemente contaram com o acréscimo do efetivo. “Recebemos mais policiais há cerca de dois meses e agora com certeza faremos um trabalho ainda melhor”, afirma o comandante.

Os números na Zona Rural confirmam a tendência observada em São Luís nos últimos quatro anos. A capital e as cidades que formam a Grande Ilha – Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa – tiveram as maiores quedas no número de homicídios entre todas as capitais nordestinas e suas regiões metropolitanas nos últimos quatro anos.

Os homicídios caíram 63,60% na Grande Ilha na comparação entre 2014 e 2018. Em 2014, foram 910 assassinatos nas quatro cidades da Ilha. Já em 2018, caiu para 331.

São Luís pode ser primeira capital brasileira a concluir coleta de material genético de presos por crimes hediondos

As coletas de DNA já foram realizadas nas Unidades Prisionais de Ressocialização de São Luís 2, 3 e 4 e nas unidades prisionais de Codó e Timon

São Luís pode ser a primeira capital brasileira a concluir a coleta de material genético de presos sentenciados por crimes hediondos. A informação foi confirmada quarta-feira (19), pela diretora do Instituto de Genética Forense (IGF), Christhiane Cutrim. Dados do próprio Instituto mostram que já são mais de 1.040 presos cadastrados no Banco de Perfis Genéticos do estado.

“O Maranhão assumiu uma postura de vanguarda no cenário nacional. Temos uma estimativa de concluir a Grande Ilha’ em janeiro, e estamos trabalhando dentro dessa perspectiva. Mas, obviamente que precisamos fazer uma previsão desse trabalho junto a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP)”, disse Christhiane Cutrim.

Ainda segundo o diretora do IGF, a celeridade dos trabalhos nas unidades prisionais da capital maranhense é resultado da atuação da SEAP que, por meio dos seus procedimentos padrões de gestão prisional, facilita a retirada dos presos sem transtornos e oferecendo toda a segurança interna necessária parta o procedimento.

As coletas de DNA já foram realizadas nas Unidades Prisionais de Ressocialização de São Luís 2, 3 e 4 e nas unidades prisionais de Codó e Timon. O procedimento também ocorreu na APAC de Timon, na Penitenciária Regional de São Luís e UPRs do Monte Castelo e Olho d’Água. A mais recente coleta de DNA de presos sentenciados foi realizada na UPSL 1.

Peritos do IGF, órgão ligado à Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA), realizam o treinamento dos servidores das unidades prisionais ligados à Supervisão de Saúde, setor da Secretaria Adjunta de Atendimento e Humanização Penitenciária (SAAHP). A ideia é capacitá-los para que a coleta do material biológico se mantenha rotineiramente.

Para serem submetidos ao procedimento de identificação criminal, os internos têm os dados pessoais e processuais previamente coletados. Todo o material genético coletado é encaminhado ao IGF, onde é feita a triagem, catalogação, análise e cadastro no CODIS (Combined Index System), uma base de dados de DNA fundada pelo FBI.

Internamente, a SEAP está finalizando um módulo para inserção dos dados do material genético coletado de cada pessoa presa no próprio Sistema de Inteligência, Informação e Segurança Prisional (SIISP) da pasta. A ideia é que a coleta aconteça de forma instantânea, tão logo a pessoa presa com o perfil selecionado seja admitido no sistema prisional.

São Luís é a capital que mais reduziu homicídios no Nordeste nos últimos 4 anos

Os homicídios caíram 62% na Grande Ilha na comparação entre 2014 e 2018

São Luís e as cidades que formam a Grande Ilha – Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa – tiveram as maiores quedas no número de homicídios entre todas as capitais nordestinas e suas regiões metropolitanas nos últimos quatro anos.

Os homicídios caíram 62% na Grande Ilha na comparação entre 2014 e 2018. Como as estatísticas de dezembro ainda não estão concluídas, foi considerado o período de janeiro a novembro tanto em 2014 quanto em 2018. Em 2014, foram 832 assassinatos nas quatro cidades da Ilha. Já em 2018, caiu para 313. Uma queda de 62%.

Um levantamento feito nas estatísticas oficiais das demais capitais nordestinas mostra que nenhuma delas chegou perto desse número. As estatísticas foram colhidas nos sites das respectivas Secretarias de Segurança Pública de cada Estado. Ou seja, são dados oficiais.

A única capital nordestina que não entrou no levantamento foi João Pessoa, já que os dados mais recentes se referem apenas ao primeiro trimestre do ano.

Sete quedas e um aumento

Os homicídios caíram 62% na Grande Ilha na comparação entre 2014 e 2018

Das oito capitais e regiões metropolitanas do Nordeste pesquisadas, sete tiveram queda nos homicídios em 2018 na comparação com 2014. Apenas uma, Recife, registrou aumento.

Mas nenhuma das capitais chegou perto da redução de 62% verificada na Grande Ilha maranhense.

Teresina, no Piauí, é a capital que mais se aproxima desse desempenho, com redução de 28% nos chamados Crimes Letais Violentos Intencionais (CVLI) entre 2014 e 2018. O CVLI é formado majoritariamente por homicídio, mas também inclui latrocínio e agressão fatal – ou seja mortes violentas provocadas intencionalmente.

No caso de Teresina, foram levados em conta os períodos de janeiro a outubro para os dois anos, já que os dados de novembro ainda não estão disponíveis. Igualmente com queda de 28%, aparece Maceió, com dados atualizados até novembro referentes ao CVLI.

Depois vem Natal, com queda de 26% e dados do CVLI atualizados também até novembro.

Salvador e região metropolitana conseguiram reduzir os homicídios em 16%. Nesse caso, o período é de janeiro a setembro para os dois anos (2014 e 2018). Os números de outubro e novembro de 2018 ainda não estão disponíveis.

Aracaju e região metropolitana tiveram uma redução de 14% até o mês de setembro. Nesse caso, a comparação de janeiro a setembro de 2018 teve que ser feita com o ano todo de 2014, uma vez que não há estatísticas mensais disponíveis para aquele ano em Alagoas.

Ou seja, a redução foi de no máximo 14% na Grande Aracaju. Se forem registrados novos homicídios entre outubro e dezembro, essa redução será mais modesta. Portanto, não há hipótese de a queda ser maior, apenas menor.

Já Fortaleza teve uma queda de 4% no CVLI. Os dados estão atualizados até novembro. Recife e região metropolitana foram as únicas a ter aumento nos homicídios, de 36%. O período corresponde até outubro.

A queda de 62% nos homicídios da Grande São Luís está ligada diretamente ao aumento nos investimentos da Segurança Pública, além da adoção de novas estratégicas desde o início do governo Flávio Dino, em 2015.

O Maranhão atingiu a marca recorde de 15 mil policiais no Estado. Em quase quatro anos, foram entregues 1.078 novas viaturas. Dezenas de prédios foram construídos e reformados.

Além da queda nos homicídios, São Luís deixou em 2017 a lista das 50 capitais mais violentas do mundo, de acordo com a prestigiada lista da ONG mexicana Segurança, Justiça e Paz.

Polícia Civil cumpre mandados relacionados à morte de Marielle e motorista

A Polícia Civil não informou número de agentes envolvidos e tampouco fez um balanço da ação

Estadão

Policiais da Delegacia de Homicídios (DH) do Rio estão nas ruas desde o início da manhã desta quinta-feira, 13, tentando cumprir 15 mandados de prisão e de busca e apreensão relacionados à morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista, Anderson Gomes.

No meio meio da tarde, a polícia divulgou nota informando que os mandados são referentes a inquéritos policiais instaurados na DH “e que transcorrem de forma paralela às investigações do caso Marielle e Anderson”. De acordo com a nota, “a medida é uma ferramenta voltada à inviolabilidade e ao sigilo das informações coletadas no bojo do inquérito policial principal”.

Os alvos das buscas seriam milicianos – a atuação deles é uma das principais linhas de investigação do crime, ocorrido em março. A ação da polícia acontece em vários pontos do Rio e nas cidades de Nova Iguaçu, Angra dos Reis, Petrópolis e Juiz de Fora (MG).

A Polícia Civil não informou número de agentes envolvidos e tampouco fez um balanço da ação. Segundo a DH, o sigilo das investigações “é a maior garantia para chegar aos autores e mandantes dos crimes investigados”.

Flávio Dino participa da inauguração do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública da região Nordeste

Governadores do Nordeste e ministro Raul Jungmann. (Foto: Divulgação)

O governador Flavio Dino participou, na sexta-feira (7), do lançamento do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública Regional – Nordeste (CIISPR- NE) no Palácio de Iracema, em Fortaleza, no Ceará. O espaço é uma iniciativa da União e dos governos nordestinos para reunir informações e alimentar um sistema único que auxilie no combate a facções criminosas interestaduais.

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, acompanhou a cerimônia, juntamente com o presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira; o governador do Ceará, Camillo Santana; o governador do Piauí, Wellington Dias; e demais representantes da Segurança Pública no Nordeste, como o secretário de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela.

O Centro abriga profissionais de segurança dos nove estados e de forças de segurança e justiça de órgãos regionais e nacionais. Para compor a equipe, os agentes participaram do curso Técnicas e Estratégias de Relato Executivo, ministrado pela Federal Bureau of Investigation (FBI), a agência federal de investigação dos Estados Unidos.

Na visão do governador Flávio Dino, o principal ganho com a implantação do CIISPR é a dimensão preventiva para que, com a troca de informações entre os estados, seja possível evitar a ação das quadrilhas.

“Nós estamos vendo a tentativa de assaltos a bancos, aterrorizando cidades inteiras. Quando extraímos as informações, são quadrilhas que se deslocam de outras regiões, até de outros países. Então, o Centro de Inteligência permite o reforço da prevenção, para que as forças de segurança possam agir com mais eficiência e se antecipar, para evitar ocorrências graves”, assegurou o governador Flávio Dino.

O governador defendeu, ainda, a colaboração de bancos e empresas de transporte de valores na articulação e ampliação de políticas públicas de segurança.

“Os bancos precisam aprimorar seu sistema de segurança, uma vez que é inimaginável que as polícias sozinhas vão proteger estabelecimentos bancários em todo o país. É preciso que os bancos invistam também, e o CIISPR vai ajudar para que nós articulemos esses segmentos empresariais a melhorar a segurança pública”, afirmou o governador Flávio Dino.

O secretário Jefferson Portela destacou o empenho para integração entre as forças policiais dos estados do país, especialmente com o compartilhamento de informações. “Temos três policiais do Maranhão trabalhando diretamente no CIISPR, que passaram por treinamento e estão aptos a administrar e atualizar o nosso banco de dados, cruzando as informações com os demais bancos”, ressaltou.

Em sua fala, o ministro Raul Jungmann ressaltou a importância do Sistema Único de Segurança Pública (SUSP), aos moldes do que já acontece na saúde e na educação, para o enfrentamento da violência e da criminalidade, com a união das esferas federais, estaduais e municipais.

“Isso é inédito no Brasil. Temos hoje um sistema nacional de segurança pública, com presença da polícia federal, militar, civil, guardas municipais, forças armadas, judiciário e inteligência. Saímos da obscuridade e da falta de transparência. Com um federalismo acéfalo, não conseguíamos obter as informações para montar estatísticas e dados”, disse Jungmann.

O Centro de Inteligência de Segurança Pública Regional – Nordeste tem como base o Palácio de Iracema, em Fortaleza, e conta com profissionais de 15 instituições de todos os estados do Nordeste.

O trabalho desenvolvido será o de análise e investigação, cruzando os dados e investigações específicas de cada estado e, em especial, as que envolvam mais de um estado. Os profissionais investigam e acionam as forças policiais dos estados para desmembrar o crime organizado em operações sigilosas.

Já na implantação, o CIISPR possui 38 bases de dados dos estados e União. O número ainda pode aumentar, com a implantação do centro em outras unidades da federação. São R$ 15 milhões de investimento do Governo Federal em treinamento de profissionais e aquisição de materiais de tecnologia, como softwares e computadores.

Com o período das chuvas, Prefeitura reforça monitoramento em áreas de risco na capital

A ação está sendo feita com base no mapeamento destas áreas com fins a prevenir e solucionar problemas que possam afetar moradores

A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (Semusc), via Defesa Civil Municipal, está reforçando as ações executadas periodicamente pela gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, no que concerne ao trabalho de prevenção ao período chuvoso na capital. Desde o início desta semana equipes da Defesa Civil Municipal realizam vistoria técnica em moradias de áreas consideradas de risco em regiões da cidade, entre elas, a do Itaqui-Bacanga. Entre os bairros visitados estão Sá Viana e Vila Embratel. A ação está sendo feita com base no mapeamento destas áreas com fins a prevenir e solucionar problemas que possam afetar moradores.

O trabalho faz parte do planejamento continuado da Defesa Civil Municipal e foi intensificado devido as fortes chuvas iniciadas na última semana quando em algumas regiões o volume de chuva chegou a 223mm, em menos de 12 horas, ocasionando pontos de acúmulo de água. Bairros como Altos do Calhau, Primavera, Coroadinho, Piancó, Tomázinho e Fumacê são áreas que recebem atenção das equipes de monitoramento. O alerta é para mais chuvas nos próximos dias.

O secretário municipal da Semusc, Heryco Coqueiro, destaca que a ação é feita de forma constante, seguindo orientação do prefeito Edivaldo. “O objetivo da Prefeitura é garantir a segurança, desenvolver ações sociais e de prevenção aos que residem nessas áreas. Assim, seguido orientação do prefeito Edivaldo, elaboramos um plano de contingência para ações nas quais sejam necessários fazer atendimento nos locais e também deslocamento de pessoas”, frisou o secretário.

“Orientamos a população e mostramos que as equipes estão atentas. Em caso de ocorrências, os moradores podem nos acionar. Permaneceremos, por orientação do prefeito Edivaldo, em campo nas áreas mapeadas, com especial atenção às que requerem ações urgentes e vamos manter essa logística enquanto as previsões do tempo apontarem para riscos de fortes chuvas”, reforça a superintendente da Defesa Civil Municipal, Elitânia Barros.

A ação está sendo feita com base no mapeamento destas áreas com fins a prevenir e solucionar problemas que possam afetar moradores

Durante a ação, os fiscais aplicam questionário aos moradores para obterem informações como sobre o número de pessoas ocupantes da residência, situação dos imóveis e ocorrências que por ventura tenham causado qualquer dano.

Segundo Elitânia Barros, os principais problemas identificados durante as vistorias são imóveis em áreas de encostas e propensas à deslizamentos e alagamentos; por trás de barreiras e em terrenos bastante acidentados. Além de problemas estruturais (rachaduras, fissuras e outros que atingem a estrutura física dos imóveis) e questões sociais como as moradias em palafitas. Os dados coletados orientam órgãos de referência para as medidas necessárias.

O planejamento envolve secretarias municipais e apoio de parceiros como a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Exército. O relatório com dados atualizados do mapeamento geológico das áreas e das situações de risco está em fase de levantamento para posterior divulgação. O trabalho foi elaborado em conjunto com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), órgão do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Somado ao trabalho técnico com as vistorias e monitoramento das áreas, a Defesa Civil Municipal promove ações educativas junto aos moradores, durante o processo de levantamento das informações. As equipes orientam as famílias sobre os perigos e como agir em caso de possíveis deslizamentos ou desabamentos.

Polícia recupera R$ 45 milhões e prende mais 10 suspeitos de assaltar banco em Bacabal

O grupo estava no interior de um caminhão e com eles, armamento e munição de alto calibre, além da quantia de R$ 45.321.492

Dez suspeitos de integrar a quadrilha que assaltou instituição financeira em Bacabal serão transferidos para São Luís. Presos durante abordagem policial em Santa Luzia do Paruá, na madrugada desta terça-feira (4), o grupo estava no interior de um caminhão e com eles, armamento e munição de alto calibre, além da quantia de R$ 45.321.492.

O condutor do veículo está entre os presos, suspeito de integrar o bando. Três outros suspeitos foram mortos em confronto com a polícia. As informações foram repassadas pelo secretário de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), Jefferson Portela, durante coletiva ocorrida nesta terça-feira na sede da SSP-MA, no bairro Vila Palmeira.

Na lista de itens apreendidos com os suspeitos estão 11 fuzis, incluindo um armamento com capacidade para derrubar aeronaves; duas metralhadoras calibre ponto 50, pistola e vários coletes à prova de bala, além de mais de 440 munições de lato calibre. Cerca de 30 pessoas integraram o bando que agiu no assalto ocorrido no dia 25 novembro, em Bacabal. Desde então, a SSP-MA deflagrou operação especial para prisão dos demais membros da quadrilha.

O grupo estava no interior de um caminhão e com eles, armamento e munição de alto calibre, além da quantia de R$ 45.321.492

Com os resultados desta fase da investigação, somam 15 os membros do grupo interceptados. A polícia já possui informações de todos os membros do grupo criminoso, segundo divulgado na coletiva. A operação segue com investigações individualizadas dos suspeitos, apoiadas em relatórios da operação e banco de dados nacional. Os integrantes do grupo são do Paraná, Tocantins, Sergipe, São Paulo e Salvador, onde seria a base de atuação da quadrilha.

“Foi uma atuação muito eficiente dos nossos homens da Polícia Militar, que tiveram firmeza contra um bando fortemente armado, neutralizando e prendendo todos os suspeitos. Contra o ataque do crime temos a repressão qualificada. Aqui tem governo, o sistema de segurança tem comando e os criminosos sentirão o peso da lei”, afirmou o secretário de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), Jefferson Portela.

Na abordagem foram presos os paulistas Gelsimar Oliveira, Alexandre Moura, Wagner Cesar Oliveira, Robson César Pereira, José Eduardo Zacarias Barboni, Valdeir Carvalho dos Santos e Fábio Batista de Oliveira; os baianos George Ferreira Santos e Ricardo Santos Souza (que seria um dos mais perigosos do bando); e o paranaense Derli Luiz Gilioli. Morreram durante o confronto com a polícia: Silva Santos, Adenilson Moreira e Renan Santos dos Praseres, todos de São Paulo.

Os policiais mantêm cerco em pelo menos 10 municípios nas proximidades de Bacabal para prisão do restante da quadrilha. Durante a coletiva, o secretário Jefferson Portela afirmou que as investigações indicam que os demais membros da quadrilha permanecem no Maranhão.

Participaram da coletiva realizada nesta terça-feira, o delegado geral de Polícia Civil, Leonardo Diniz; o comandante geral da Polícia Militar, Jorge Luongo; e o delegado geral adjunto de Operações Policiais, André Gossain.

Polícia prende integrantes da quadrilha envolvida no assalto em Bacabal

Os suspeitos estavam dentro de um caminhão, em Santa Luzia do Paruá, quando foram surpreendidos durante uma abordagem policial

Na operação de busca a integrantes da quadrilha que realizou assalto em Bacabal, foram presos na madrugada desta terça-feira mais nove suspeitos; e outros três mortos foram em confronto com policiais.

Os suspeitos estavam dentro de um caminhão, em Santa Luzia do Paruá, quando foram surpreendidos durante uma abordagem policial.

O condutor do veículo está entre os presos e, com o grupo, a polícia encontrou armas de grosso calibre e dinheiro, que seria parte do roubo à agência bancária.

“Nosso efetivo está a postos e como já anunciamos, vamos prender os integrantes desse grupo criminoso. Eles não sairão impunes. A força policial do Maranhão deslocou equipes com treinamento de ponta e equipados para responder a qualquer investida destes criminosos e a ordem é prendê-los”, enfatizou o secretário de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), Jefferson Portela.

Os suspeitos estavam dentro de um caminhão, em Santa Luzia do Paruá, quando foram surpreendidos durante uma abordagem policial

Entre as armas que estavam com os presos, duas metralhadoras calibre 50, pistola e vários coletes à prova de bala e 11 fuzis.

A quantia de dinheiro encontrada com os homens não foi revelada pela polícia.

A ação da Segurança Pública para captura dos membros da quadrilha está em curso, desde o momento do assalto, ocorrido dia 25 de novembro.

Policiais mantiveram cerca na cidade e nos arredores de pelo menos 10 municípios nas proximidades, a fim de impedir que a quadrilha saísse do Estado.

As equipes da Polícia Miliar ficam de prontidão nas cidades de Itapecuru, Vargem Grande, Coroatá, Caxias, Santa Inês, Pedreiras, Bom Jardim e outros municípios fronteiriços a Bacabal, até que todos os membros da quadrilha sejam presos.

Na primeira ação policial foram presos dois policiais – um do Piauí e outro do Maranhão – mais oito pessoas detidas, além de R$ 3,7 milhões recuperados.

Foram mortos em confronto com a polícia Edielson Francisco Lumes, o Dô ou Titi, irmão de Zé de Lessa, que chefiava o grupo nas ações; Warley dos Reis Souza, o Bombado, que é paraense; e Gean Martins Rocha, de Araguaina, no Tocantins.

Segundo as investigações, a quadrilha é a maior em assalto a bancos com atuação nos nove estados do Nordeste e chefiada por José Francisco Lumes, o Zé de Lessa, que comanda do Paraguai.

Cerca de 30 membros da quadrilha vieram para o Maranhão participar do assalto a Bacabal, segundo a polícia. A SSP-MA trabalha com apoio da Interpol, Centro de Controle da Aeronáutica, polícias dos Estados onde há atuação da quadrilha e também, forças policiais do Uruguai.

PRF abre concurso para 500 vagas de policial rodoviário

Os candidatos devem ter graduação de nível superior em qualquer área e Carteira Nacional de Habilitação no mínimo de categoria “B”

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou edital de concurso público para 500 vagas de policial rodoviário federal. O salário é de R$ 9.473,57. Do total de vagas, 100 são reservadas para candidatos negros e 33 para pessoas com deficiência.

Os candidatos devem ter graduação de nível superior em qualquer área e Carteira Nacional de Habilitação no mínimo de categoria “B” e que não possua observação de adaptação veicular ou restrição de locais e horário para dirigir.

O policial rodoviário tem jornada de 40 horas semanais e realiza atividades de natureza policial envolvendo fiscalização, patrulhamento e policiamento ostensivo, atendimento e socorro às vítimas de acidentes rodoviários e demais atribuições relacionadas com a área operacional da PRF. As inscrições devem ser feitas de 3 a 18 de dezembro pelo site http://www.cespe.unb.br/concursos/prf_18. A taxa é de R$ 150,00.

Podem pedir isenção da taxa candidatos inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), membros de família de baixa renda ou doadores de medula óssea em entidades reconhecidas pelo Ministério da Saúde.

A distribuição das vagas será da seguinte forma por estados: Acre (17 vagas); Amapá (28 vagas); Amazonas (23 vagas); Bahia (17 vagas); Goiás (27 vagas); Maranhão (18 vagas); Mato Grosso (9 vagas); Mato Grosso do Sul (35 vagas); Minas Gerais (57 vagas); Pará (81 vagas); Piauí (22 vagas); Rio de Janeiro (10 vagas); Rio Grande do Sul (74 vagas);Rondônia (15 vagas); Roraima (23 vagas); São Paulo (19 vagas); Tocantins (25 vagas).

A unidade de lotação do candidato estará vinculada à UF de vaga escolhida no momento da inscrição. O ocupante do cargo permanecerá preferencialmente no local de sua primeira lotação por um período mínimo de 3 anos, exercendo atividades de natureza operacional voltadas ao patrulhamento ostensivo e à fiscalização de trânsito, sendo sua remoção condicionada a concurso de remoção, permuta ou ao interesse da administração.

A prova objetiva e a prova discursiva terão a duração de 4 horas e 30 minutos e serão aplicadas na data provável de 3 de fevereiro de 2019, no turno da tarde. Na data provável de 30 de janeiro de 2019, será publicado no endereço eletrônico http://www.cespe.unb.br/concursos/prf_18 o edital que informará a disponibilização da consulta aos locais e aos horários de realização das provas.

A prova objetiva terá questões de língua portuguesa, raciocínio lógico-matemático, informática, noções de física, ética no serviço público, geopolítica brasileira, história da PRF, legislação de trânsito, noções de direito administrativo, noções de direito constitucional, noções de direito penal e de direito processual penal, legislação especial e direitos humanos e cidadania.

Todas as fases da primeira etapa, a avaliação biopsicossocial dos candidatos que solicitarem concorrer às vagas reservadas às pessoas com deficiência e o procedimento de verificação da condição declarada para concorrer às vagas reservadas aos candidatos negros serão realizadas na capital da UF escolhida para lotação.