Flávio Dino anuncia reabertura de parte do comércio a partir da próxima segunda

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), anunciou, nesta quarta-feira (20), um novo decreto que permitirá a reabertura de pequenas empresas familiares a partir da próxima segunda-feira (25) no Estado, obedecendo a regras sanitárias e de distanciamento social.

O processo será gradual e alcançará outros seguimentos econômicos a partir do dia 01 de junho de acordo com diretrizes estabelecidas pela Casa Civil e Secretaria de Indústria e Comércio. A experiência será, inicialmente, por 45 dias para posterior avaliação.

Segundo o governador, as medidas anteriores possibilitaram uma redução do número de pessoas às unidades de saúde de São Luís e o Estado conseguiu ampliar o número de leitos com a construção de hospitais de campanha.

O governador excluiu os shoppings centers do decreto.

Flávio Dino fez um balanço positivo do Lockdown, bloqueio na Ilha de São Luís, e disse que a medida desafogou mais a rede pública de saúde.

Veja vídeo acima.

Maranhão registra 944 casos novos de coronavírus e 3.324 pessoas recuperadas

Cresce o número de casos da Covid no Maranhão

A Scretaria de Estado da Saúde (SES) contabiliza 944 novos casos positivos de COVID-19 no Maranhão. De acordo com os dados, sobe para 16058 o número de casos positivos, sendo 663 óbitos e 3324 pessoas recuperadas. Atualmente, 202 municípios têm casos confirmados de COVID-19 no estado. 

Mais vinte e nove óbitos foram registrados em oito municípios maranhenses, sendo: Paço do Lumiar (1), São José de Ribamar (1), Jenipapo dos Vieiras (1), Feira Nova do Maranhão (1), Barra do Corda (3), São Mateus do Maranhão (3), Imperatriz (5), e São Luís (14). 

A SES registra ainda 837 profissionais de saúde infectados pelo novo coronavírus no Maranhão. Destes, 725 já estão recuperados.

Quando analisados os casos positivos de COVID-19, a razão por sexo aponta 8256 (51%) casos em pessoas do sexo feminino e 7802 (49%) em pessoas do sexo masculino.

Na revisão de dados de local de local de domicílio, um caso do município de Amarante do Maranhão foi remanejado para Imperatriz.

Testagem

Até o momento, o Maranhão contabiliza 29.489 testes para diagnóstico de

Leitos para coronavírus na rede estadual do Maranhão sobem 6 vezes e chegam próximos de 1.500

Um dos esforços recentes foi a abertura dos hospitais de campanha de Açailândia e São Luís, com 60 e 200 leitos, respectivamente. 

Desde o início da pandemia do coronavírus, a rede estadual pública de saúde do Maranhão multiplicou por seis o número de leitos exclusivos para a doença. Em março, eram 232. Agora, são 1.445, de acordo com o mais recente boletim da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

O esforço se dá pelo número crescente de casos no estado – algo que acontece no Brasil todo também. 

As medidas de isolamento conseguiram reduzir a velocidade de contágio na Ilha de São Luís, mas o cenário está longe de ser considerado normal. Além disso, outras regiões e cidades estão com grande número de casos confirmados, como acontece em Imperatriz. 

Por isso, a expansão tem sido feita em todas as regiões, a fim de evitar o colapso do atendimento. Em todo o mundo, não havia sistema de saúde preparado para dar conta dos efeitos do Covid-19. 

Um dos esforços recentes foi a abertura dos hospitais de campanha de Açailândia e São Luís, com 60 e 200 leitos, respectivamente. 

Em Imperatriz, o Hospital Macrorregional reservou dezenas de leitos para coronavírus. Também foi aberto um ambulatório especializado, e as UPAs foram reforçadas. Agora, estão sendo feitas obras no Materno-Infantil para abrir mais leitos. 

Em Chapadinha, foram montados 32 leitos exclusivos para o tratamendo de Covid-19. O Governo do Maranhão está concluindo os novos hospitais de Lago da Pedra e o de Santa Luzia do Paruá. O Hospital de Pinheiro está recebendo mais 78 leitos.

Dino: Cloroquina é falsa polêmica para Bolsonaro fugir de outras obrigações

Brasília – Entrevista coletiva com o overnador do Maranhão, Flávio Dino (Valter Campanato/Agência Brasil

O governador do Maranhão Flávio Dino disse nesta quarta (20) que o novo protocolo da cloroquina, que expande o uso da droga para casos leves de coronavírus, já vem sendo aplicado no Estado, a critério do médico. Para ele, o protocolo é uma “falsa polêmica” e Jair Bolsonaro só insiste no tema porque foge do verdadeiro debate sobre a covid-19, que envolve executar ações para mitigar os danos da pandemia. “O principal é a capacidade hospitalar e prevenção social”, disse.

“É uma falácia puramente ideológica do presidente que insiste na polêmica da cloroquina porque não quer enfrentar o coronavírus de verdade. A cloroquina e outros remédios estão disponíveis no Maranhão há dois meses. Não é governador, presidente, general, seja lá quem for, que dita a conduta médica. (…) É muito barulho por nada. A cloroquina pode ser dada ou não. O debate nacional não é esse. O debate nacional sério é a prevenção, medidas sociais, uso de máscaras, cumprimento de normas sanitárias, expandir leitos e respiradores.”

Dino disse à CNN Brasil que, “em termos prático, essa confusão que Bolsonaro criou com a cloroquina é perda de tempo e energia. Os médicos que quiserem prescrever, vão prescrever. Os que não quiserem, não há força humana que vá obrigar o médico a fazer algo em que ele, tecnicamente, não acredita.”

Desde o início da pandemia, o presidente vem defendendo com unhas e dentes o uso da cloroquina, pelo impasse, dois ministros da Saúde já caíram.

Bolsonaro anuncia saída de Regina Duarte da Secretaria da Cultura

Regina Duarte foi convidada para ser a quarta secretária da Cultura do governo Bolsonaro depois da demissão do dramaturgo Roberto Alvim

A atriz Regina Duarte anunciou nesta quarta-feira (20), que está de saída da Secretaria da Cultura do governo de Jair Bolsonaro. Em um vídeo ao lado do presidente e que foi postado por ele no Twitter, Regina disse que assumirá o controle da Cinemateca, em São Paulo, por sentir falta da família.

No vídeo, Regina afirma que foi ao encontro de Bolsonaro no Palácio da Alvorada para perguntar se estava sendo “fritada” por ele. Desde o início de sua gestão, a atriz vinha sofrendo ataques da ala ideológica do governo que é ligada ao polemista Olavo de Carvalho, guru da família presidencial.

“Toda semana tem um ou dois ministros que, segundo a mídia, estão sendo fritados. O objetivo é desestabilizar a gente e tentar jogar o governo no chão. Jamais vou fritar você”, disse Bolsonaro no vídeo. O presidente, no entanto, havia dado autorização para que integrantes de sua administração atacassem a agora ex-secretária. Foi por isso que desafetos de Regina como o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, subiram o tom contra a gestão da atriz na pasta da Cultura.

O favorito para assumir a Secretaria de Cultura é o ator Mário Frias, que almoçou na terça-feira (19), com Bolsonaro e o filho Zero Um do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Eles participaram juntos de um encontro com os presidentes de Flamengo e Vasco para discutir a volta dos campeonatos de futebol em meio à pandemia do novo coronavírus. Quando Regina ainda estava no cargo, Bolsonaro compartilhou nas redes sociais um vídeo de uma entrevista em que Frias se colocava à disposição para chefiar a pasta.

Uma Novela Trágica

Regina Duarte foi convidada para ser a quarta secretária da Cultura do governo Bolsonaro depois da demissão do dramaturgo Roberto Alvim, que, em janeiro, plagiou um discurso do ministro nazista Joseph Goebbels ao anunciar um prêmio para as artes. A atriz abriu mão de um lucrativo contrato com a Rede Globo, onde trabalhou por 50 anos, para embarcar na administração federal. Ela levou semanas para assumir o cargo de forma oficial, no dia 4 de março, mas nunca conseguiu sequer montar uma equipe de trabalho.