Edivaldo Holanda Jr. afirma que vai tomar providências para que cenas de vandalismo não se repitam no Centro Histórico

O prefeito afirmou que medidas serão tomadas para que as brigas e cenas de vandalismo não se repitam.

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr. (PDT), lamentou os atos de vandalismo registrados no Centro Histórico, durante a noite de domingo (02).

“Lamentáveis as imagens que circulam de atos de vandalismo no Centro Histórico neste fim de semana. Esse não é o tipo de reocupação que incentivamos e não vamos permitir baderna, violência e a depredação do patrimônio que temos nos empenhado tanto para revitalizar”, escreveu Edivaldo.

O prefeito afirmou que medidas serão tomadas para que as brigas e cenas de vandalismo não se repitam.

“As programações da Prefeitura de São Luís, por meio do Reviva Centro, são voltadas para as famílias, com atrações para todos os públicos e idades. Estou reunindo com os órgãos municipais e determinando que sejam adotadas providências para que cenas como essas não se repitam”, concluiu.

“Diálogo com Othelino” aborda intervenções de Bolsonaro e homenagem a Alcione

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), repercutiu, na 5ª edição do podcast “Diálogo com Othelino”, as interferências do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), em instituições públicas brasileiras, essenciais para o bom funcionamento do estado democrático de direito, e a homenagem à cantora maranhense Alcione Nazareth no Parlamento.

Othelino Neto criticou Bolsonaro no caso do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), quando o transferiu do Ministério da Economia para o Banco Central (BC), por meio de Medida Provisória. “Parecem recados diretos em razão de que o órgão desagradou sua família quando lançou dados com relação à movimentação financeira suspeita de assessores do filho de Jair. Isso é um mau sinal para a sociedade. Não é admissível que um presidente da República promova vingança com relação às instituições”, acentuou.

Depois, tratou sobre a decisão de Jair Bolsonaro em relação à lista tríplice em que o Ministério Público Federal (MPF) indica os nomes de três candidatos ao cargo de procurador-geral da República. “Bolsonaro já avisou publicamente que não irá considerar a lista e, pior, promove um verdadeiro convite para diversos procuradores para que assumam compromissos com ele para que tenham a possibilidade de ser nomeados”.

“Essas instituições não merecem esse tipo de intervenção. São órgãos autônomos, que devem ser respeitados nas suas atribuições. Não estou dizendo que não cometem erros”, avaliou Othelino.

“De fato, o presidente da República foi eleito para interferir, mas para produzir a paz e o respeito às instituições do Brasil. Quando ele as desrespeita promove um desserviço ao país”, completou, referindo-se não só ao Coaf e ao MPF, mas também à Receita Federal e Polícia Federal (PF).

Homenagem a Alcione

A entrega da Medalha Manuel Beckman, maior honraria do Legislativo Estadual, à cantora, compositora e instrumentista Alcione Nazareth, proposta pelo deputado Wendell Lages (PMN), também esteve em pauta nesta edição do podcast. “Foi um reconhecimento àquilo que Alcione representa para a Maranhão, à música do nosso estado e do Brasil. Também por ela levar as belezas daqui para todo o país e o mundo”, disse Othelino Neto.

A solenidade foi prestigiado por parlamentares, governador do Estado, Flávio Dino (PCdoB), familiares e simpatizantes da cantora. “Aconteceu de forma muito alegre, com muita música, bem a cara da Alcione”, relatou o deputado.

O programa pode ser ouvido a qualquer hora e lugar – no computador, smartphone ou em outro aparelho com conexão à internet. Para ouvir, é necessário baixar o aplicativo Spotify ou o Soundcloud. Depois, basta buscar o nome do programa e dar play no episódio desejado. O programa também estará disponível nas redes sociais do presidente (Youtube, Instagram, Facebook e Twitter).

Reprovação de Bolsonaro cresce para 38% em meio a crises, mostra Datafolha

A reprovação do presidente subiu de 33% para 38% em relação ao levantamento anterior do instituto

Pesquisa nacional feita pelo Datafolha aponta a erosão da popularidade de Jair Bolsonaro (PSL) em pouco menos de dois meses. 

A reprovação do presidente subiu de 33% para 38% em relação ao levantamento anterior do instituto, feito no início de julho, e diversos indicadores apontam uma deterioração de sua imagem. Foram ouvidas 2.878 pessoas com mais de 16 anos em 175 municípios.

A aprovação de Bolsonaro também caiu, dentro do limite da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou menos, de 33% em julho para 29% agora. A avaliação do governo como regular ficou estável, passando de 31% para 30%.

Na pesquisa de julho e na anterior, de abril, estava consolidado um cenário em que o país se dividia em três partes iguais: quem achava Bolsonaro ótimo ou bom, ruim ou péssimo e regular.

De dois meses para cá, o presidente viu aprovada na Câmara a reforma da Previdência, sua principal bandeira de governo. Ato contínuo, iniciou uma escalada de radicalização, acenando a seu eleitorado mais ideológico com uma sucessão de polêmicas.

Neste período, Bolsonaro sugeriu que o pai do presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) havia sido morto por colegas de luta armada na ditadura,indicou o filho Eduardo para a embaixada brasileira em Washington e criticou governadores do Nordeste —a quem também chamou de “paraíbas”.

O último item coincide com a região em que mais disparou a rejeição a Bolsonaro. O Nordeste sempre foi uma fortaleza do voto antibolsonarista, mas seu índice de ruim e péssimo subiu de 41% para 52% na região de julho para cá.

O período viu o presidente bater de frente com o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) acerca de mudanças na Polícia Federal e extinguir o Coaf (órgão de investigação financeira em atuação desde 1998), recriado de forma ainda incerta sob o Banco Central —medidas lidas como tentativas de coibir investigações sobre seu filho Flávio, senador pelo PSL-RJ.

Também nesses dois meses explodiu a maior crise internacional do governo até aqui, sobre o desmatamento e as queimadas da Amazônia. Há grande rejeição à condução de Bolsonaro no quesito (51% a consideram ruim ou péssima).

A perda de apoio de Bolsonaro também foi acentuada entre aqueles mais ricos, com renda mensal acima de 10 salários mínimos. Neste segmento, a aprovação ao presidente caiu de 52% em julho para 37% agora —bastante significativa, ainda que se mantenha acima da média.

Evento “Imperatriz Pode Mais” lança o nome de Marco Aurélio como pré-candidato a prefeito

Muitas lideranças políticas e comunitárias lotaram a Associação Médica de Imperatriz e reafirmaram a união em torno do nome de Marco Aurélio

Milhares de pessoas participaram, na noite de sexta-feira (30), do “Imperatriz Pode Mais”. O evento lançou oficialmente a pré-candidatura do deputado estadual Marco Aurélio (PCdoB) à prefeitura de Imperatriz.

Muitas lideranças políticas e comunitárias lotaram a Associação Médica de Imperatriz e reafirmaram a união em torno do nome de Marco Aurélio.

A maioria das falas dos presentes foi em torno da inoperância do poder público municipal, que enfrenta vários problemas de gestão e que, ao longo da atual gestão, não conseguiu resolver problemas de estrutura básica na cidade.

O secretário de Estado da Infraestrutura e presidente municipal do PCdoB em Imperatriz, Clayton Noleto participou do evento e reafirmou o nome de Marco Aurélio na disputa pela prefeitura do segundo maior colégio eleitoral do Maranhão.