Jeisael Marx, a surpresa das últimas pesquisas

Os 2,9% na última pesquisa do DataM, divulgados no dia 30 de dezembro de 2019, mostram o pré-candidato melhor posicionado que outros nomes já conhecidos

Ninguém tem dúvida de que a surpresa das últimas pesquisas de intenções de voto para a prefeitura de São Luís é a boa colocação do jornalista e pré-candidato Jeisael Marx.

Os números das pesquisas dos institutos Econométrica e DataM mostram que o representante da Rede Sustentabilidade aparece bem posicionado, na frente de nomes bastante conhecidos da política maranhense.

Jeisael impressiona por não ter um histórico político com mandatos, não tem família política e, somente com presença nas redes sociais e na mídia, já aparece na frente de outros pré-candidatos tarimbados.

Os 2,9% na última pesquisa do DataM, divulgados no dia 30 de dezembro de 2019, mostram o pré-candidato melhor posicionado que outros nomes como Rubens Júnior, Carlos Madeira e Luís Fernando Silva.

Jeisael inicia 2020 mostrando que seu projeto de pré-candidatura está bem posicionado junto ao eleitorado de São Luís e que deve crescer, ainda mais, com a proximidade da campanha.

Eleitores de Bela Vista do Maranhão voltam às urnas dia 12 de janeiro

Vale lembrar que o mandato tampão vai até o final de 2020. Ainda em outubro, os eleitores elegerão novamente um prefeito para o mandato 2021-2024

Os eleitores de Bela Vista do Maranhão vão às urnas para eleger um novo prefeito no dia 12 de janeiro. A eleição suplementar na cidade foi determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e definida em resolução aprovada, em novembro, pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA).

A nova eleição vai acontecer após o TSE julgar improcedente um recurso do prefeito eleito em 2016, Orias de Oliveira Mendes e manter a cassação dele e de sua vice, Vanusa Santos.

Entre os candidatos que irão disputar a nova eleição, estão Danielzinho (PSB), ex-secretário na gestão Orias. Augusto Filho (PSDB), filho do ex-prefeito José Augusto Veloso e representante da oposição local. E o empresário Gil Farma, filiado ao MDB.

Vale lembrar que o mandato tampão vai até o final de 2020. Ainda em outubro, os eleitores elegerão novamente um prefeito para o mandato 2021-2024.

Feriado de Ano Novo foi menos violento nas rodovias federais

De acordo com a PRF, cerca de 139,5 mil pessoas e 134 mil veículos foram fiscalizados durante a operação.

O feriado de ano-novo foi menos violento do que o do ano passado em rodovias federais. Entre 28 de dezembro e 1º de janeiro, foram registrados 863 acidentes e 70 mortes. No mesmo período no réveillon do ano passado foram contabilizados 75 óbitos e 914 acidentes de trânsito.

Os números foram divulgados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), dentro do balanço da Operação Ano-Novo, realizada pela corporação.

De acordo com a PRF, cerca de 139,5 mil pessoas e 134 mil veículos foram fiscalizados durante a operação.

Os números foram menores também do que do feriado de Natal deste ano, realizada entre 21 e 25 de dezembro. Na Operação Natal foram registrados 1.134 acidentes, sendo 97 com vítimas fatais.

“Ataque dos EUA impactará no preço dos combustíveis”, diz Bolsonaro

Bolsonaro descartou a possibilidade de tabelar o preço do produto para controlar impactos e disse que vai discutir o assunto com a equipe econômica

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (3) que o ataque feito pelos Estados Unidos a um comboio no Iraque, que resultou na morte do comandante de alto escalão da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, deverá impactar no preço dos combustíveis no Brasil. Bolsonaro descartou a possibilidade de tabelar o preço do produto para controlar impactos e disse que vai discutir o assunto com a equipe econômica e com o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno.

O ataque norte-americano nas proximidades do Aeroporto de Bagdá pode acirrar o clima de tensão e provocar reflexos em todo o mundo. “Tive algumas informações [sobre o ataque] nessa madrugada, e vou me encontrar com o Heleno [do GSI] para me inteirar sobre o que aconteceu para, depois, emitir juízo de valor”, disse o presidente ao deixar o Palácio do Alvorada.

Apesar de admitir a preocupação com reflexos da crise internacional sobre a economia do país, o governo não pretende intervir em políticas de preços como o tabelamento. “Que vai impactar, vai. Agora vamos ver nosso limite aqui, porque já está alto, e se subir mais, complica. Mas não posso tabelar nada. Já fizemos esse tipo de política de tabelamento antes e não deu certo. Vou agora conversar com quem entende do assunto”, completou. Bolsonaro tentou contato com o presidente da Petrobras, Roberto da Cunha Castello Branco, mas eles ainda não conseguiram conversar sobre o assunto.

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a quebra do monopólio da Petrobras como uma alternativa para baratear os combustíveis. “Temos de quebrar o monopólio [para evitar a alta dos combustíveis]. A distribuição é ainda o que mais pesa no preço, e depois o ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços], que é um imposto estadual”, acrescentou ao ressaltar que, por o ICMS incidir sobre bases de preços maiores, o aumento do preço acaba agradando governadores, uma vez que aumenta também as receitas.

Para Bolsonaro, o Brasil já chegou ao limite no que se refere a cobrança de impostos. “Não dá para aumentar mais imposto no Brasil. Ponto final. No ano passado pagamos por dia mais de R$1 bilhão em juros. Foram R$ 400 bilhões por ano. A Europa foi reconstruída, pós 2ª guerra mundial, um montante desse. Então, por ano, pagamos uma reconstrução da Europa”, disse. Ele ainda lembrou que a queda da taxa básica de juros (Selic) para 4,5% ao ano resultou em uma economia de R$ 110 bilhões no corrente ano.

Grande São Luís registra queda de 72% no número de homicídios em cinco anos

Em 2014, houve 910 de homicídios nas quatro cidades da Ilha. Em 2019, o número foi reduzido para 251 casos. Uma diferença de 72%

Em cinco anos, o número de homicídios caiu 72% na Grande Ilha em 2019 na comparação com o ano de 2014, antes da entrada da nova política de segurança no Estado. A tendência de queda vem sendo ininterrupta desde 2015.

Em 2014, houve 910 de homicídios nas quatro cidades da Ilha. Em 2019, foram 251 casos. Uma diferença de 72%. Ou seja, em doze meses, foram salvas 659 vidas com a nova política de segurança. Caso seja levado em consideração todo o período entre 2015 e 2019, comparando com os dados de 2014, foram salvas 1.930 vidas na Grande Ilha.

Estudos e levantamentos nacionais também mostram queda forte dos homicídios em São Luís. A mais recente versão do Atlas da Violência dos Municípios, divulgado em agosto de 2019, mostra que São Luís é a capital brasileira que mais reduziu homicídios desde 2014. O levantamento foi feito pelo Ipea, um instituto de estudos e pesquisas do governo federal. O estudo traz dados atualizados até 2017. O início da série histórica é em 2007.

De 2007 a 2014, a taxa de homicídios cresceu ano a ano em São Luís, sem parar. Em 2007, eram 34,8 homicídios a cada 100 mil habitantes. Em 2014, tinha subido para 82,9, mais do que o dobro.

A partir de 2015, a taxa começa a cair ano a ano. Em 2017 – o período com dados mais recentes divulgado pelo Ipea -, a taxa caiu para 46,9 homicídios a cada 100 mil habitantes. Isso significa uma redução de 43,42% em apenas três anos. Nenhuma outra capital brasileira conseguiu tal queda, de acordo com o Atlas da Violência.

Em setembro, outro estudo confirmou que São Luís é a capital brasileira que mais reduz o número de homicídios. Foi o Anuário Brasileiro da Segurança Pública, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Trata-se de uma organização sem fins lucrativos. Entre 2017 e 2018, a capital maranhense reduziu em 36,6% os homicídios. Nenhuma outra capital em todo o Brasil conseguiu melhor resultado neste período. A queda ludovicense é bem maior que a média nacional, de 20,7%.