Bolsonaro cita Sarney Filho ao falar sobre indicações políticas para ministérios

Bolsonaro alegou que o Brasil não pode voltar a ter “ministros de partido.”

Folha

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, na tarde de sábado (22), que “há pedidos” de políticos pela indicação de ministros.

“Não pretendo mudar ministros, você sabe que há pedidos, é natural. O ministério que mais pedem é o da Minas e Energia, não sei por quê. Ninguém pede o da Damares [Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos]. É natural acontecer isso aí, a gente conversa, se expõe e se explica e grande parte deles [líderes políticos] entende a situação que nos encontramos”, disse Bolsonaro, pouco depois de deixar o departamento médico do Palácio do Planalto, onde fez exames de rotina.

Bolsonaro alegou que o Brasil não pode voltar a ter “ministros de partido.”

“Vamos supor que eu dê o ministério X para tal partido. Daí o PV me pede o Meio Ambiente e bota o Zequinha [o ex-ministro Sarney Filho] lá. Como fica o agronegócio? Todos pedem com essa política de querer botar o meu homem ou mulher nesse ministério. Todos pedem, sem exceção“, declarou.

O mandatário argumentou ainda que “pela primeira vez” há no país um presidente “horando o que prometeu na campanha”. “O que eu mais ouço falar, o pessoal mais tranquilo, parlamentar antigo, é que hoje ele tem acesso a todos os ministérios”, disse Bolsonaro. “Antigamente ele tinha acesso ao ministério do partido dele. Isso que mudou”, acrescentou.

Nosso Centro: Governo do Maranhão vai investir mais de R$ 140 milhões no Centro Histórico

O trabalho será desenvolvido em polos prioritários agregando cultura-lazer-gastronomia, e também o habitacional, institucional, comercial, turístico e tecnológico

Cartão-postal e referência do turismo no Maranhão, o Centro Histórico de São Luís receberá um conjunto de ações estruturantes para promover ainda mais o turismo, movimentar a economia e valorizar a área. Essa é a proposta do programa Nosso Centro, iniciativa do Governo do Estado, lançado nesta segunda-feira (24), no Palácio dos Leões. Na ocasião, o governador Flávio Dino apresentou a estratégia do programa, assim como ações já em execução de revitalização do centro e que serão intensificadas.

O Nosso Centro consiste em obras de infraestrutura como a construção de acessos, novas áreas de estacionamento, melhoramento de estruturas como calçadas, meios fios e outros elementos. O trabalho será desenvolvido em polos prioritários agregando cultura-lazer-gastronomia, e também o habitacional, institucional, comercial, turístico e tecnológico. A intervenção compreende áreas de tombamento estadual, federal e zona central da cidade, com obras do Governo do Maranhão, Prefeitura de São Luís e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O governador Flávio Dino enfatizou que o programa é a consolidação de um conjunto de medidas executadas pelo Governo do Estado na área central da cidade. “O resultado tem sido maior movimento no Centro Histórico da capital e abrindo caminho para a ampla revitalização, renascimento e fortalecimento desta área. Vamos prosseguir neste caminho elevando a nossa cidade. Apesar da crise brasileira, vivemos um bom momento e o programa vem reforçar esse cenário”, informou.

Para o prefeito Edivaldo Holanda Júnior, o Nosso Centro é a consolidação das ações parceiras já desenvolvidas com o Governo do Estado e também com o Iphan. “Agora, com essa iniciativa do Governo do Estado, este trabalho será reforçado. É uma ação significativa para a preservação e recuperação do Centro Histórico e vai impulsionar as diversas atividades desenvolvidas aqui, refletindo positivamente na economia e no turismo da cidade”, destacou.

Segundo o secretário de Estado de Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), Rubens Pereira Junior, essa articulação incrementará os recursos federais, estaduais, municipais, nacionais ou estrangeiros e também da iniciativa privada para valorização e revitalização do Centro Histórico. “A viabilidade dos investimentos no centro da capital, que vem sendo marcante pelas intervenções da gestão estadual e também municipal, tornará a área referência em renovação e desenvolvimento sustentável, preservando seu valor histórico e cultural”, frisou.

Sérgio Moro cancela ida à Câmara dos Deputados

Sérgio Moro daria explicações sobre mensagens atribuídas a ele e a procuradores da Operação Lava Jato

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, cancelou a sua ida à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados marcada para quarta-feira (26) para dar explicações sobre mensagens atribuídas a ele e a procuradores da Operação Lava Jato e publicadas pelo site The Intercept.

O cancelamento foi confirmado pelo presidente da comissão, Felipe Francischini (PSL-PR). Em nota, a assessoria de imprensa do ministro informou que ele não poderia comparecer à audiência na Câmara devido a uma viagem oficial aos Estados Unidos. Como se tratava de um convite, e não convocação, o ministro não era obrigado a comparecer. Ainda não foi marcada nova data.

“Cancelou, sim. Então, entre amanhã [terça] e depois de amanhã [quarta], a gente vai estar escolhendo uma nova data. Até porque muitos deputados já estão apresentando requerimento de convocação, mas eu não vou pautar convocação nenhuma. Então, eu acredito que, no consenso, se a comissão quiser que ele vá, a gente vai sentir isso amanhã. Daí, a gente remarca uma outra data”, afirmou Francischini.

O adiamento da participação de Moro em audiência na Câmara já vinha sendo tratado desde o último sábado (22). O presidente da CCJ não se opôs ao adiamento porque acredita que a Câmara precisa se concentrar na aprovação da reforma da Previdênciadurante esta semana.

O The Intercept tem revelado o teor de mensagens que sugerem que Sérgio Moro orientou a atuação de integrantes da força-tarefa da Lava Jato enquanto estava à frente dos processos em Curitiba.

Flávio Dino comenta sobre Moro: “escrever e falar corretamente em português é mais útil”

Sérgio Moro usou uma frase em latim, do filósofo e poeta lírico e satírico romano Horácio. O intuito foi desqualificar as recentes polêmicas que envolve seu nome

Brasil 247

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), criticou a postura do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que, para desqualificar a troca de mensagens em que ele orienta o trabalho de procuradores da Lava Jato, usou uma frase em latim, do filósofo e poeta lírico e satírico romano Horácio.

“Atuando na área jurídica por 30 anos, nunca me interessei por expressões em latim. Sempre tive como objetivo escrever e falar corretamente em português. Tem sido mais útil”, disse o chefe do Executivo maranhense no Twitter.

Na mesma rede social, Moro havia postado: “Um pouco de cultura. Do latim, direto de Horácio, parturiunt montes, nascetur ridiculus mus”, disse.

Na frase, cuja tradução é ‘as montanhas partejam, nascerá um ridículo rato’, Horácio condena o espalhafato em torno de algo que fracassa em sua execução.

Assim como Moro, Flavio Dino é ex-magistrado, passando em primeiro lugar no mesmo concurso do ex-juiz Sergio Moro. Dino foi juiz federal de 1994 até 2006, quando deixou a magistratura para se candidatar ao cargo de deputado federal pelo Maranhão, sendo eleito. Hoje está em seu segundo mandato no governo do estado.

Esta não foi a primeira crítica de Dino ao atual ministro da Justiça de Bolsonaro. No último dia 15, o governador afirmou: “Um juiz não deve: 1) agir em conluio com o acusador. 2) agredir a defesa do acusado, chamando-a de ‘showzinho’. 3) ter ódio pessoal contra o acusado, revelado pela encomenda de seu massacre midiático”, elencou. “Quem faz isso pode ser chamado de tudo. Menos de JUIZ.”