MDB fala em renovar, mas nova direção tem filhos de políticos e chapa única

O nome da ex-governadora, Roseana Sarney, acabou sendo ventilado como um dos possíveis nomes para a direção, mas acabou não acontecendo.

Sob o discurso da renovação, o MDB elegeu neste domingo chapa única composta por filhos e apadrinhados de caciques da legenda. Dos nove integrantes da nova cúpula, três são filhos nomes tradicionais do partido e seis já estão na política há muitos anos. O deputado federa l Baleia Rossi (SP), que é filho do ex-ministro da Agricultura na gestão do PT, Wagner Rossi, assume a presidência com a missão de unificar o partido.

Batizada de Renovação Democrática, a chapa foi aprovada por 311 votos, dos 209 convencionais. A eleição não teve a presença do ex-presidente Michel Temer. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, disponibilizou seu avião para levá-lo a Brasília, mas Temer não foi. O mais tietado foi o ex-presidente José Sarney, que aos 89 anos, se disse “jovem” e entusiasmou a militância a participar da política. Também participaram tradicionais nomes da legenda, como o ex-senador Eunício Oliveira (CE), Renan Calheiros (AL), Eduardo Braga (AM).

A legenda perdeu quase metade da sua bancada na Câmara nas eleições de 2018, e várias de suas lideranças históricas foram presas ou respondem a processos por corrupção, como o próprio Temer.

A chapa tem na terceira-vice presidência o ex-deputado federal Daniel Vilela, filho do ex-governador de Goiás, Maguito Vilela, e na secretaria-geral o deputado Newton Cardoso Júnior, filho do ex-governador de Minas Gerais Newton Cardoso. A primeira vice é ocupada pelo senador Confúcio Moura, que já governou Rondônia por duas vezes, já foi prefeito por dois mandatos e deputado federal.

A segunda vice presidência fica com o deputado federal Carlos Chiodini (SC) e a primeira-secretaria será comandado pelo deputado estadual Gabriel Souza (RS). Ambos representam a bancada do sul, muito representativa na Câmara. A segunda-secretaria do MDB será do prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis (RJ), ex-deputado federal.

A chave do cofre do MDB fica aos comandos do senador Marcelo Castro (PI). Ex-deputado federal por cinco mandatos, Castro teve o apoio dos senadores Eduardo Braga (MDB-AM) e Renan Calheiros (MDB-AL) para se alçar ao posto de tesoureiro da legenda. Marcelo Castro terá como adjunto o deputado federal Raul Henry (PE), que atende à indicação do ex-deputado federal e senador Jarbas Vasconcelos (PE).

O nome da ex-governadora, Roseana Sarney, acabou sendo ventilado como um dos possíveis nomes para a direção, mas acabou não acontecendo.

Othelino repercute aprovação da Reforma da Previdência e temas que movimentaram a Alema, em novo podcast

Na décima edição do Podcast “Diálogo com Othelino”, o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), destacou a votação da Reforma da Previdência no Senado Federal e também repercutiu temas e eventos que movimentaram o Parlamento Estadual nos últimos dias, entre eles, a homenagem ao cantor Zeca Baleiro; o projeto de lei de sua autoria que acrescenta dispositivo à Lei nº 9.663 que dispõe sobre Gratificação de Complementação de Jornada Operacional, dando nova redação visando beneficiar os policiais e promover mais segurança nos municípios maranhenses. Também deu destaque à celebração dos 30 anos da Constituição Estadual que será comemorada em sessão solene na Casa, no próximo dia 17.

Sobre a PEC da Previdência, aprovada em primeiro turno pelo Senado, Othelino Neto lamentou a manutenção de itens que, segundo ele, são prejudiciais aos brasileiros. “Se o redutor da previdência for aprovado também em segundo turno vai fazer com que muitos pensionistas recebam menos que um salário mínimo e como sobreviver desta forma?”, questionou.

Othelino fez questão de registrar os votos dos senadores do Maranhão, Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS), contrários ao texto aprovado. “Eles votaram respeitando o eleitor e a favor dos destaques que retirariam esses itens que prejudicam a população”, relatou o parlamentar.

Outro assunto em destaque nesta edição do podcast foi o Projeto de Lei 480/19, de sua autoria, aprovado por unanimidade pela Casa Legislativa, acrescentando dispositivo à Lei nº 9.663, de 17 de julho de 2012, que dispõe sobre a criação da Gratificação de Complementação de Jornada Operacional para as operações especiais das polícias Civil e Militar, a ser paga aos policiais civis, militares e bombeiros. O dispositivo acrescentado pelo parlamentar modifica o artigo 7º desta lei, instituindo que o Poder Executivo poderá agora firmar convênio com a União e municípios, com o objetivo de celebrar cooperação na área da segurança pública para a execução de atividades operacionais, podendo, para tanto, utilizar policiais militares, civis e bombeiros militares em antecipação ou prorrogação da jornada normal de trabalho. O projeto foi à sanção governamental.

Othelino repercutiu ainda a homenagem ao cantor Zeca Baleiro, que recebeu as medalhas “Manuel Beckman” e “João do Vale”, propostas por ele e pela deputada Daniella Tema (DEM), respectivamente.

Falou também sobre a entrega de ambulâncias para municípios maranhenses, uma delas para Tasso Fragoso, onde possui base eleitoral. Também ressaltou em seu podcast a importância do projeto de lei da deputada Thaiza Hortegal (PP), que obriga as embarcações a terem kits de primeiros socorros nas embarcações.

E finalizou destacando o aniversário de 30 anos da Constituição Estadual, comemorado no dia 5 de outubro, data que será celebrada pela Assembleia Legislativa no próximo dia 17, às 11h, em sessão solene das Casa. “Homenagear a Constituição é sempre importante, porque é um horizonte que temos que seguir. E nesse momento de crises em que passa o país é fundamental que todos nós homenageemos a Constituição dos nossos estados, sempre olhando com muita fidelidade para a Constituição Federal”, avaliou Othelino, acrescentando ainda que no ato solene os deputados maranhenses constituintes à época serão homenageados.

Grande São Luís tem o menor número de homicídios dos últimos 13 anos

Dois recentes estudos nacionais mostram que São Luís é a capital brasileiro que mais reduz homicídios

Com os homicídios caindo ano a ano desde 2015, a Grande São Luís tem alcançado resultados históricos no combate a esse tipo de crime. Os homicídios em 2019 atingiram o menor número dos últimos 13 anos.

Entre janeiro e setembro de 2019, foram 216 Crimes Letais contra a Vida (CVLIs), que são formados basicamente por homicídios. É o mais baixo número desde 2005, na comparação com o mesmo período dos anos anteriores.

O pico no número de homicídios na Grande Ilha foi em 2014, antes da implementação da nova política de segurança pública no Estado. Naquele ano, entre janeiro e setembro, foram 709 CVLIs, mais do que o triplo do verificado agora em 2019.

Em setembro deste ano, houve redução de 72% dos homicídios na comparação com o mesmo mês de 2014. Naquela época, foram 68 casos. Agora, foram 19. A redução também é significativa comparação com setembro do ano passado, quando houve 28 registros.

Dois recentes estudos nacionais mostram que São Luís é a capital brasileiro que mais reduz homicídios. De acordo com o Atlas da Violência 2019, do Ipea, São Luís foi a capital onde os homicídios mais caíram entre 2014 e 2017. Foi uma queda de 43,42% em três anos.

Já o Anuário Brasileiro da Segurança Pública, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, mostrou que São Luís foi a capital que mais reduziu os homicídios entre 2017 e 2018. A diminuição foi de 36,6% em um ano apenas.

Edivaldo diz que nunca se acuou diante da crise e fala do “São Luís em Obras” em entrevista a O Imparcial

Na entrevista ele também confirmou para esta semana o início do asfaltamento no Angelim

A população de São Luís já percebeu que a rotina da cidade está diferente por causa das diversas obras em execução pelo prefeito Edivaldo Holanda Junior (PDT). Em entrevista publicada este domingo em O Imparcial o pedetista afirmou que nunca se acuou diante da crise econômica que tem levado muitas prefeituras a diminuir seus investimentos e que o programa São Luís em Obras, por meio do qual sua gestão tem ampliado os investimentos em Infraestrutura urbana na capital, é mais um resultado do seu compromisso com o crescimento da cidade. Na entrevista ele também confirmou para esta semana o início do asfaltamento no Angelim.

“O programa São Luís em Obras nasceu da necessidade de reforçarmos os investimentos em algumas áreas, especialmente no que diz respeito à infraestrutura urbana”, disse. Isto ocorre porque Edivaldo pauta sua gestão no planejamento e na criatividade. No primeiro semestre, com a cidade sob o mais rigoroso inverso das últimas décadas, muitas foram as críticas à suposta falta de iniciativas da gestão. Sem fazer alarde, Edivaldo garantiu os recursos necessários e trabalhou em um amplo planejamento de ações a serem executadas logo que as chuvas passassem.

Deste planejamento nasceu o programa São Luís em Obras que desde agosto já soma mais de 20 frentes de trabalho contemplando áreas como infraestrutura, saúde, educação, mobilidade urbana, requalificação de espaços públicos, reforma de mercados, assistência social, limpeza urbana entre outras. Só de pavimentação já são mais de 50 quilômetros em execução.

Diante de tantas ações em execução e dos resultados positivos que a própria população tem dito a Edivaldo sempre que ele visita os bairros é que o pedetista tem tranquilidade para afirmar que “outros gestores, mesmo em épocas que não havia escassez de recursos públicos, não conseguiram fazer tanto por São Luís” quanto ele tem feito em sua administração.